O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Dark posts, robôs e fake news

As tecnologias de informação são as novas queridinhas do marketing eleitoral, e já se sabe que o uso da internet – para o bem e para o mal – será decisivo na campanha de 2018. Antigamente, o material de propaganda permitia que os eleitores conhecessem as ideias dos políticos. Agora, por exemplo, eles podem inclusive escolher os conteúdos para uns, sem que outros tomem conhecimento disso, através do dark post no Facebook

Trata-se de propaganda direcionada e fragmentada, em publicação patrocinada para um grupo específico de pessoas e que não aparece na timeline. Assim, um candidato pode dizer que defende a divisão do Estado para pessoas que concordam com essa ideia e falar exatamente o contrário para aquelas que discordam, sem que essas opiniões sejam visíveis para quem procurar na página dele informações sobre propostas. 

Há, também, a  possibilidade de os candidatos contratarem serviços que priorizem a própria aparição no mecanismo de buscas
do Google, e descobrir como a sua audiência pensa e se comporta; integração de database para centralizar seus diferentes bancos de dados e acrescentar mais valor a eles; data analytics, que permite conhecer profundamente a sua audiência; e até prever segmentos da população com maior afinidade com a sua campanha. 

Isto sem falar nos robôs e nas fake news. Salve-se quem puder!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *