Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

Dano ambiental em Ulianópolis é grave

O  gravíssimo dano ambiental no município de Ulianópolis, sudeste do Pará, decorrente da disposição inadequada de resíduos e rejeitos industriais por diversas empresas nacionais e multinacionais na área que sediava a Companhia Brasileira de Bauxita (CBB), cuja real extensão ainda não foi devidamente apurada, motivou reunião do procurador geral de Justiça, Manoel Santino Nascimento Jr. e da promotora de Justiça Maria Cláudia Vitorino Gadelha, titular da Promotoria de Ulianópolis, com o secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, Ney Maranhão, e o Advogado da União José Mauro de Lima O’de Almeida, segunda-feira, na sede do Ministério do Meio AmbienteAcatando ação penal ajuizada pelo Ministério Público estadual, o juiz Acrísio Tajra de Figueiredo prolatou sentença, na quinta-feira passada (16), condenando a Companhia Brasileira de Bauxita, divisão Uspam – Usina de Passivos Ambientais – e seu sócio representante legal, Pedro Antônio Pereira da Silva, contra os quais pesam as acusações de “terem causado poluição que resultaram em danos à saúde humana ou provocaram a mortandade de animais ou a destruição da flora lançando resíduos sólidos, líquidos e gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos”. 


Conforme a denúncia do MPE-PA, Pedro Antônio Pereira da Silva falsificou documentos particulares, com a emissão de certificados de destinação final de passivos ambientais à empresa “Griffin”, antiga Prochrom Indústrias Químicas S.A., em 12/06/2001 e 23/08/2001, mantendo em erro a empresa, por fraude, obtendo vantagem ilícita em proveito próprio. Por estelionato e poluição, sua pena será de sete anos e quatro meses de prisão e cem dias-multa. Já à Companhia Brasileira de Bauxita, divisão USPAM – Usina de Passivos Ambientais foi imposta pena restritiva de direitos, consistente na proibição de contratar com o poder público, bem como obter subsídios, subvenções ou doações no prazo de dez anos. A empresa também terá que prestar serviço à comunidade, via custeio de programas e projetos ambientais e execução de obras de recuperação da área degradada, de forma a ser estabelecida e detalhada pelo juízo de Execução Penal. O juiz ainda indeferiu ao réu Pedro Antônio Pereira da Silva o direito de recorrer em liberdade, vez que persistem os requisitos da sua prisão preventiva. 


A questão CBB remonta desde setembro de 1986, quando foi constituída a Companhia Brasileira de Alumina, cujo objeto era a pesquisa, lavra, beneficiamento, indústria e comércio de matérias-primas minerais em todo o território nacional, importação e exportação. O material tóxico industrial começou a ser depositado na área em 2000, quando a empresa paulista Companhia Brasileira de Bauxita (CBB) cessou as atividades de exploração do minério e criou a Uspam (Usina de Passivos Ambientais), responsável pela destinação final adequada de resíduos industriais. A incineração de parte do material seria através do forno que antes era usado na calcificação da bauxita. 


Como a legislação ambiental não foi cumprida, em 2003 o MPE-PA ajuizou ação civil pública com pedido de tutela antecipada contra a empresa e obteve liminar ordenando a cessação das atividades irregulares da CBB/Uspam em Ulianópolis. A empresa cumpriu a decisão judicial de fechar as portas, mas descumpriu a determinação de retirar os rejeitos perigosos. Com isso, todo o lixo químico ficou abandonado na área, sem o devido armazenamento. No ano seguinte foi protocolada ação criminal contra Pedro Antônio Pereira da Silva, que teve a prisão preventiva decretada. 


Depois de quase uma década com o problema se arrastando sem solução, e de expedir, em janeiro de 2012, Recomendações ao município a fim de que identificasse as pessoas que utilizavam tambores retirados da área, fosse providenciada a substituição por caixas d’água e a conscientização da população, em fevereiro de 2012 a Promotoria de Justiça de Ulianópolis instaurou o Inquérito Civil nº 01/2012, destinado a identificar os responsáveis e buscar a reparação integral do dano. Foram ouvidas mais de cem pessoas. O inquérito já alcança 25 volumes e mais de 7 mil páginas. Em abril do mesmo ano, o Ministério Público fez vistoria na área e constatou a permanência do dano ambiental.
Em maio de 2012, em vistoria, a Comissão Nacional de Energia Nuclear descartou radioatividade na área, outra preocupação do MP.
Em julho de 2012 foi realizada coleta de amostras de águas superficiais e de sedimentos de fundo no igarapé Gurupizinho, pelo Instituto Evandro Chagas.
Novo Laudo Pericial, do
Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, de nº 53,  constatou a poluição ambiental e alterações ambientais com níveis elevados de contaminantes orgânicos e inorgânicos nas águas e sedimentos no Igarapé Gurupizinho. Em setembro daquele ano houve o primeiro encaminhamento de ex-trabalhadores da CBB para perícia no Instituto Evandro Chagas. 


Em março de 2014, nova vistoria foi providenciada na área pela Sema, Semma e Cetesb. Em maio, com a quebra do sigilo fiscal da CBB, foram identificadas remessas. Em junho, a Sespa criou um Plano de Trabalho a fim de levantar as condições de saúde da população local. Em agosto, o MPE-PA iniciou a discussão e elaboração do Termo de Ajustamento de Conduta referente à reparação integral do dano ambiental ocasionado pelo depósito inadequado de resíduos industriais e Termo de Compromisso objetivando diagnóstico da saúde dos munícipes, no que tange aos efeitos causados pela contaminação. Já em setembro, foi proposto Termo de Compromisso envolvendo a Sespa, a Sema, a Semma e Instituto Evandro Chagas, com o fim de, através de um Plano Integrado, aprofundar a avaliação da qualidade de água de consumo humano, de acordo com a Portaria 2914/2011, do Ministério da Saúde. Agora em outubro, outra proposta de TAC entre as empresas, o Estado do Pará e o Município de Ulianópolis para a construção da solução foi tentada, para detalhar a questão relativa à degradação ambiental decorrente da exploração da bauxita refratária, com participação do Ministério Público Federal. 


No último dia 3 de outubro, audiência pública promovida pelo MPE-PA tratou sobre o Inquérito civil n°01/2012, instaurado pela Promotoria de Justiça de Ulianópolis, a respeito dos danos ambientais oriundos da queima e disposição inadequada de resíduos industriais na área que sediava a Companhia Brasileira de Bauxita, instalada na zona rural de Ulianópolis. Na ocasião, o procurador-geral Manoel Santino Nascimento Jr., acompanhado da corregedora-geral em exercício, procuradora de justiça Ubiragilda Pimentel, discutiu um Termo de Ajustamento de Conduta destinado a reparar o dano ambiental.  Dessa reunião participaram também os promotores e coordenadores do CAO Cível e Ambiental, Fábia Melo-Fournier e Nilton Gurjão das Chagas, e os promotores de Ulianópolis, Maria Cláudia Vitorino Gadelha, Louise Rejane de Araújo Silva e Márcio Silva Maués de Faria. A procuradora da República Nathália Mariel Ferreira de Souza Pereira, do MPF-PA,  o procurador-geral do Estado, Caio Trindade, o secretário de Estado de Meio Ambiente, José Colares, e o secretário de Estado de Saúde Pública, Hélio Franco, estiveram presentes, dentre outras autoridades. 


O TAC proposto pelo MPE-PA foi debatido ponto a ponto por técnicos e representantes de empresas e diversos segmentos da sociedade civil. O geólogo Wilson de Oliveira, do Grupo Técnico Interdisciplinar do MPE-PA, fez uma apresentação sobre o caso CBB, tendo como base as visitas na área. Outra explanação sobre o tema foi pelo técnico Marcelo Lima, do Instituto Evandro Chagas, que discorreu também acerca da necessidade de várias análises ambientais mais profundas e uma articulação com a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária, além da parceria com a Sespa, a fim de encontrar indicadores ambientais que indiquem a real situação de Ulianópolis. O secretário José Alberto da Silva Colares, titular da Sema, alertou que “essa é uma dívida impagável com a sociedade local e uma situação inaceitável e inadiável”. E que o TAC é a chance de resolver o problema através de um pacto entre empreendedores e gestores ambientais.


A promotora Maria Cláudia protocolou, na ocasião, expediente dirigido à Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, explicando o problema e encaminhando documentos referentes ao inquérito civil nº 001/2012. Ficou de ser agendada nova reunião até o final de novembro. 


“A sentença com mérito prolatada pelo juiz Acrísio Tajra de Figueiredo procedendo à condenação se constitui num marco histórico sem precedentes na história da região de Ulianópolis”, diz a promotora de Justiça Maria Cláudia Vitorino Gadelha. 


Toda a sociedade parauara precisa ficar atenta a essas questões e participar dos debates em seus municípios.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *