A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

DANDO UM “PERDIDO”

Lembre de apagar a luz quando sair

Esquecer cada bobagem que um dia ficou por ai

Lembre de não atrasar as contas do mês

E não tentar mudar o mundo de uma só vez

Lembre nem tudo pode ser como você sempre sonhou

Lembre você já me esqueceu

Lembre que tudo já passou

Lembre de deixar os discos sobre a mesa

E não se culpar por velhas confusões confusões

Lembre de não carregar o mundo em suas costas

Tire um dia pra ficar vagando sob o sol

Lembre nem tudo é tão azul

Tiros riscando nosso céu

Velhos clichês ditando o gosto

Mas deixe um sorriso nesse rosto

Já escrevi uma vez que ouço música enquanto estou dirigindo. Estava hoje, na selva do trânsito quando começou a tocar essa música da qual a letra está acima. Pertence ao grupo paraense Telesonic. Tocava muito em um programa que tive na Jovem Pan, chamado Rock Pan. Nunca encontrei os músicos e os assisti apenas uma vez, através do Google, em vídeo gravado em programa da Tv Cultura do Pará. Não há razões específicas para uma canção mexer com nossos sentimentos. Às vezes é do artista que gostamos, ou porque todos estão gostando. É a melodia, a letra, o instrumental. Eu adoro essa música. Quando vêm os acordes da guitarra, abro um sorriso, canto junto. Gosto principalmente do trecho “lembre de não carregar o mundo em suas costas, tire um dia pra ficar vagando sob o sol”. Eu lembro de inúmeros momentos em que me sentia pressionado, com várias tarefas urgentes, todas pedindo minha melhor produção e de repente dava um “perdido” e saía por aí, flanando ou vagando sob o sol, sem direção, andando ou até mesmo dirigindo sem destino, para limpar minha tela, digamos assim. Dava uma desligada, ligava novamente, voltava e dava conta dos afazeres. Passei a maior parte da minha vida dentro de uma sala sem janelas, cercado por computadores, gravadores, discos, jornais, revistas e livros. Por sorte, o lugar em que morei, Presidente Vargas, era farto em personagens interessantes, diferentes, com belas histórias para contar. Com o tempo, eles fizeram como que um “cordão de segurança” para mim que passava distribuindo cumprimentos, alguns pequenos regalos aqui e ali, ouvindo suas queixas e alegrias. Uma bela coleção de amigos que me proporcionou escrever minhas coisinhas literárias. Há também o trecho “lembre nem tudo pode ser como você sempre sonhou, lembre você já me esqueceu, lembre que tudo já passou”. Música é um foguete sentimental que nos leva através do tempo, assim como perfume. Lembro de amores, sejam lugares ou pessoas. Sorrio porque vem na cabeça determinada ocasião, e agora estou correndo de bicicleta, na descida do Chapeu Virado para o Farol, com aquele vento delicioso mexendo meus cabelos. Toda vez que vejo alguma reportagem falando sobre o estado do Mosqueiro atualmente, seus problemas de segurança, as casas sendo roubadas ou desabando, fico triste. Estão mexendo no meu paraíso particular. Rubem Ohana, amigão de meu pai e eu, por conseguinte, de seus filhos, um deles, verdadeiro irmão, excelente profissional, Jorge Alberto, pois é, o velho Rubem tinha uma Kombi. Nas férias de julho, durante a semana, acho, fazia o que se chamava “assustado”. Botava um monte de adolescentes no carro e aparecia de surpresa em uma casa onde moravam outros garotos e garotas. Claro que o “assustado” era combinado antes. Levavam som, discos e petiscos. Em instantes a casa virava uma festa e todos se divertiam. Menos eu. Tímido, ainda sem coragem de encarar as meninas, assistia de longe, admirando um primo que dançava com todas. É para lembrar? Lembrei. Mas ouçam, também Telesonic.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *