O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Como Era o Umarizal

Aconteceu de achar no mar encapelado de meus livros, este “A Capital do El Dorado”, autoria de Murilo Menezes, da Academia Paraense de Letras, lançado em 1954, que tem como subtítulo “Crônica Sentimental de Belém e Comentários sobre alguns dos seus Problemas”.

“A Rua São Vicente, hoje Manoel Barata, rumo do nordeste, esbarrou logo depois da Travessa do Príncipe, hoje Quintino, com um espesso bosque de umaris, que foi pouco a pouco derrubado pelos que adquiriram terrenos para edificar. O caminho aberto para a nova via urbana foi chamado de Rua Cônego Pimentel, prolongamento da Manoel Barata. À sua direita tem a Rua Bernal do Couto, Rua Boaventura da Silva até o Largo do Esquadrão de Cavalaria, hoje Praça Brasil que atinge a antiga Estrada São João, atualmente Avenida Senador Lemos. As duas artérias, São João e Cônego Pimentel formaram bairros diferentes entre si, tanto que assim que se lançaram os trilhos iniciais para as vias de tração animal, levados a efeito por duas companhias distintas, cada uma tomou posse da sua. Na de São João foram bondinhos de bitola estreita, cujo terminal ficava onde está a igreja de São Raimundo, no São João do Bruno. Na outra eram os carris de bitola larga, que percorriam a rua todinha, indo dobrar na Travessa Dom Romualdo de Seixas, entrava pela Bernal do Couto, de ida e de volta, contornava pela Rua Oliveira Belo, procurando a estrada 2 de Dezembro, atual Generalíssimo Deodoro, rumo de Nazaré. Esta linha de bitola larga chamava-se Umarizal. A 2 de Dezembro passou muitas décadas sem passeios laterais, nem calçamento, marginada de velhas rocinhas com cercados na frente e humildes barracas de palha, constituindo seu leito temível lameiro produzido pelos cascos dos animais que puxavam os veículos e os sulcos das rodas das carroças. O bairro da Pedreira, que nasce num dos extremos do Umarizal era conhecido apenas por Acampamento. Não havia uma linha Circular. Cada linha de bondes tinha seu destino. A linha São José percorria a Estrada de São José, a Estrada Conselheiro Furtado, a Travessa Presidente Pernambuco, ou Jaqueira, a Estrada da Constituição, hoje Gentil, seguia pela Dr. Morais e São Braz até Nazaré, chegando na Estação Central onde quem precisasse, tomava os bondes para Marco ou Santa Izabel. Na esquina da Dona Januária, hoje Almirante Wandenkolk, havia a mercearia “O anil das lavadeiras”. Adiante havia a Escola Industrial, depois dividido em dois onde ficava a Mercearia Antonio da Mangueira, depois chamada A Pérola do Umarizal. Havia a Praça Santa Luzia, onde havia um grupo escolar e um grande gramado que ia até a 14 de março até que começou a ser construída a Santa Casa de Misericórdia, com apoio do Senador Lemos que pressionou o Congresso Estadual para que votasse as leis para o auxilio ao Governo na construção.

Há outras crônicas, uma sobre o comércio, a partir da João Alfredo e arredores, costumes da época, frequentadores. Há outra sobre a diversão de jovens em um bairro de Batista Campos ainda recente, mas com sua praça, onde namorados buscavam breves momentos para uma prosa, antes da chamada dos pais. Meu avô é citado, por estar paquerando Celina, minha avó. Uma delícia de ler. Estamos sempre nos deparando com a história de Belém, do Pará e a imensidão que não conhecemos e não é ensinada nas escolas. Faltam informações e falta um Carlos Rocque para nos contar. Quanto ao autor, tem belo estilo, oscilando entre o coloquial e algo mais encorpado, quando trata de assuntos políticos e que tais.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *