O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

A poluição atmosférica mata sete milhões de pessoas no mundo a cada ano. Os dados são da ONU, e apontam a urgência de medidas a fim de reduzir a emissão de poluentes gerados pelo transporte. É questão de saúde pública…

Catadores ganham seguro-defeso

O juiz federal da 1ª Vara da Seção Judiciária do Pará, Henrique Jorge Dantas da Cruz, determinou à União que pague o seguro-desemprego aos catadores de caranguejo que exerçam suas atividades de forma artesanal, individualmente ou em regime de economia familiar, durante o período de defeso no Estado do Pará. O benefício será retroativo a 2 de julho de 2013, data em que o MPF ajuizou a ação (processo nº 0019342-15.2013.4.01.3900)

Muita gente nem imagina o quanto a atividade dos catadores é sofrida. Sem qualquer equipamento de proteção, eles entram no mangue – onde só mesmo quem conhece bem o ambiente sabe como entrar e sair sem ter algum tipo de problema – atrás dos caranguejos enterrados na lama. Durante a “cata”, enlameados, os catadores ainda têm que enfrentar nuvens de maruins, pernilongos, borrachudos e mutuca, e se defendem desses insetos passando no corpo uma mistura de óleo e querosene que exala terrível mau cheiro. Além disso, é preciso ter o máximo de cuidado com as raízes, onde se incrustam ostras, que, com freqüência, ferem suas mãos, braços e pernas.

Cliquem aqui para ler a decisão na íntegra. A foto é de Carlos Sodré.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *