A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Catadores ganham seguro-defeso

O juiz federal da 1ª Vara da Seção Judiciária do Pará, Henrique Jorge Dantas da Cruz, determinou à União que pague o seguro-desemprego aos catadores de caranguejo que exerçam suas atividades de forma artesanal, individualmente ou em regime de economia familiar, durante o período de defeso no Estado do Pará. O benefício será retroativo a 2 de julho de 2013, data em que o MPF ajuizou a ação (processo nº 0019342-15.2013.4.01.3900)

Muita gente nem imagina o quanto a atividade dos catadores é sofrida. Sem qualquer equipamento de proteção, eles entram no mangue – onde só mesmo quem conhece bem o ambiente sabe como entrar e sair sem ter algum tipo de problema – atrás dos caranguejos enterrados na lama. Durante a “cata”, enlameados, os catadores ainda têm que enfrentar nuvens de maruins, pernilongos, borrachudos e mutuca, e se defendem desses insetos passando no corpo uma mistura de óleo e querosene que exala terrível mau cheiro. Além disso, é preciso ter o máximo de cuidado com as raízes, onde se incrustam ostras, que, com freqüência, ferem suas mãos, braços e pernas.

Cliquem aqui para ler a decisão na íntegra. A foto é de Carlos Sodré.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *