Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

CAA da OAB-PA cria Coral Maestro Isoca

A Caixa de Assistência da OAB-PA acaba de criar o Coral Maestro Isoca, em homenagem ao compositor santareno Wilson Dias da Fonseca. “Nosso objetivo foi homenagear um dos maiores valores da música paraense que é o maestro Isoca e, por consequência, divulgar cada vez mais a música do Pará, da qual o maestro é um dos maiores valores”, destacou Oswaldo Coelho, presidente da CAA-Pará.
Composto por dezesseis pessoas, o coral é coordenado pela presidente da Comissão de Artes da OAB-PA, 
Leny Silva de Carvalho, para quem a escolha do maestro Isoca como denominação  “é uma homenagem a este grande músico, que o Estado todo conhece e tem em seu coração e seu sangue. Cantar as músicas dele é um orgulho para nós e para quem vai escutar o coral”.

A iniciativa da CAA da OAB-PA faz justiça a Wilson Fonseca, compositor, historiador, dramaturgo e folclorista autodidata, um ser iluminado,
gênio que se eternizou nas mais de 1.600 músicas que compôs, além de uma
infinidade de textos, muitos ainda inéditos, parte deles editados na coleção
primorosa 
Meu Baú Mocorongo, publicada em feliz consórcio da
Secult, Seduc e Arquivo Público do Pará, em 2005.

Mesmo sem formação acadêmica, Wilson Fonseca também
escrevia poemas, peças de teatro, crítica de cinema e se dedicava a pesquisas
sobre história, folclore, cultura popular e os mais variados assuntos. 
Sua música transitava do erudito ao popular, entre
sambas, modinhas, toadas, tangos, marchinhas, jazz, cordões juninos, música
sacra, de câmara e até ópera.

Fundador da Academia Paraense de Música e membro da Academia
Paraense de Letras, parceiro do maestro Waldemar Henrique, Isoca nasceu em Santarém, no dia 17 de novembro de 1912, e faleceu em Belém, no dia 24 de março de 2012.  O
legado que ele deixou é universal e engrandece o Pará e o Brasil. A cantora lírica Gabriella Florenzano pesquisa e canta sua obra e um de seus projetos para 2015 é gravar um CD só com músicas de Isoca, algumas inéditas, tendo ao piano o maestro Agostinho Fonseca Jr., regente adjunto da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz e neto de Isoca, e com ele fazer um circuito de recitais pelo País, registrado em blu-ray.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *