Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Bens Imóveis e Paisagens Naturais e Culturais

O Laboratório de
Conservação, Restauração e Reabilitação da Universidade Federal do Pará foi um
dos vencedores do
Prêmio Rodrigo Melo Franco
de Andrade, concorrendo com outras
232 ações inscritas em todo o País. A premiação será no dia 17 de outubro, no
auditório do Museu Nacional, em Brasília.
O Lacore/UFPA conquistou o prêmio
na categoria “Patrimônio Material: Bens Imóveis e Paisagens Naturais e Culturais“, com a ação “Coleta, catalogação, higienização e montagem
de fragmentos de azulejos da residência Victor Maria da Silva”
,
emblemática para Belém, que contou com
o trabalho voluntário de professores e alunos da UFPA (FAU e ICA), relativo à
preservação dos azulejos em risco da residência Vitor Maria da Silva, no “Ferro de Engomar“. Onde, aliás, muito
ainda deve ser feito para que esse acervo seja restaurado.

Os vencedores receberão
certificado, troféu e R$ 20 mil em dinheiro. Este ano, o Prêmio
Rodrigo Melo Franco de Andrade
 celebra também os 120 anos de
nascimento do modernista Mário de Andrade que, em 1936, a pedido do então
ministro da Educação, Gustavo Capanema, elaborou o anteprojeto de lei que
resultou na organização jurídica da proteção do patrimônio cultural brasileiro
e na criação do atual IPHAN.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *