Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Arraia Negra no Mangal das Garças

Uma arraia da espécie Potamotrygon Leopoldi, doada por uma empresa de exportação de peixes ornamentais, é a nova habitante do lago da reserva José Márcio Ayres, o borboletário do Mangal das Garças. Lá já vivem piranhas e as deslumbrantes vitórias-régias. Também chamada de Arraia Xingu, Arraia de Fogo ou Arraia Negra, típica de água doce e encontrada no rio Xingu, é uma espécie ameaçada pela degradação ambiental por atividades como expansão da agricultura, mineração, pesca e exploração madeireira. 

Igor Seligman, biólogo e gestor do parque, iniciou um tratamento diferenciado da água do lago, para que fique cristalina e o visitante possa visualizar melhor os animais e aproveitar as lições educativas. “Todos os animais que vivem no parque e a forma como são expostos é uma maneira de ensinar o visitante a preservar e respeitar aquele bicho. O gênero potamotrygon são as arraias de fogo, mas precisamos desmistificar a ideia que se tem de que esses bichos são maus e agressivos. Uma arraia só vai ferrar alguém se ela for pisada ou se sentir ameaçada. É uma reação de defesa”, explica o pesquisador. 

O Mangal das Garças funciona de terça a domingo, de 9h às 18h. O bilhete de acesso à reserva José Márcio Ayres custa R$ 5. Estudantes e crianças pagam meia e há gratuidade para idosos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *