A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Os fatos que ensejaram a prisão preventiva do SGT Gildson dos Santos Soares e o afastamento da Coronel QOPM/PA Andréa Keyla Leal Rocha do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Pará descortinaram uma situação gravíssima e surreal dentro…

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Arraia Negra no Mangal das Garças

Uma arraia da espécie Potamotrygon Leopoldi, doada por uma empresa de exportação de peixes ornamentais, é a nova habitante do lago da reserva José Márcio Ayres, o borboletário do Mangal das Garças. Lá já vivem piranhas e as deslumbrantes vitórias-régias. Também chamada de Arraia Xingu, Arraia de Fogo ou Arraia Negra, típica de água doce e encontrada no rio Xingu, é uma espécie ameaçada pela degradação ambiental por atividades como expansão da agricultura, mineração, pesca e exploração madeireira. 

Igor Seligman, biólogo e gestor do parque, iniciou um tratamento diferenciado da água do lago, para que fique cristalina e o visitante possa visualizar melhor os animais e aproveitar as lições educativas. “Todos os animais que vivem no parque e a forma como são expostos é uma maneira de ensinar o visitante a preservar e respeitar aquele bicho. O gênero potamotrygon são as arraias de fogo, mas precisamos desmistificar a ideia que se tem de que esses bichos são maus e agressivos. Uma arraia só vai ferrar alguém se ela for pisada ou se sentir ameaçada. É uma reação de defesa”, explica o pesquisador. 

O Mangal das Garças funciona de terça a domingo, de 9h às 18h. O bilhete de acesso à reserva José Márcio Ayres custa R$ 5. Estudantes e crianças pagam meia e há gratuidade para idosos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *