A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Corrupção & impunidade, as raízes do mal

O trabalhador assalariado que deixa de declarar R$10 logo é enquadrado como sonegador, acusado de crime tributário, punido com aplicação de pesadas multas, acrescidas de juros escorchantes que podem chegar a 300%, e até sanções penais. E não vive sossegado até que quite a dívida; afinal, o castigo é muito e vem a galope. Mas o Brasil está cheio de tubarões que cometem evasão fiscal (nome sofisticado para quem rouba impostos), que deixam de pagar recolhimentos milionários. Pior: com a conivência dos ditos que encarnam o “leão” fiscalizador. Hoje, a Polícia Federal deflagrou a Operação Zelotes (falta de zelo ou cuidado fingido) para desarticular organizações criminosas que atuavam junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais – órgão do Ministério da Fazenda – manipulando o trâmite de processos e o resultado de julgamentos, de modo a beneficiar empresas autuadas em bilhões de reais.
O Ministério Público Federal, a Corregedoria do Ministério da Fazenda e a Receita Federal participaram da ação, que cumpriu 41 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. 

A quadrilha influenciava e corrompia conselheiros a fim de anular ou diminuir os valores dos autos de infrações da Receita Federal. Servidores repassavam informações privilegiadas obtidas dentro do Conselho para escritórios de assessoria, consultoria e advocacia que serviam para captação de clientes e contratação de “facilidades” dentro do CARF. No pacote, eram oferecidos manipulação do andamento de processo, “pedidos de vista”, exame de admissibilidade de recursos e ainda decisões favoráveis no resultado de julgamentos de recursos a autos de infrações tributárias.
O dinheiro era lavado e retornava limpinho da silva para as empresas. Até agora, para se ter uma pálida ideia do tamanho do rombo nos cofres da combalida União, as investigações – 
iniciadas ainda em 2013 – apontam desvio de R$ 19 bilhões. 

Advocacia administrativa fazendária, tráfico de influência, corrupção passiva e ativa, associação criminosa, organização criminosa e lavagem de dinheiro são alguns dos enquadramentos para a conduta dos envolvidos, entre os quais nove ex-conselheiros e dois atuais, além de pelo menos
70 empresas dos ramos automobilístico, bancário, siderúrgico e da construção
civil. A lista dos suspeitos está sob sigilo, mas já vazou que
Francisco Maurício
Rabelo de Albuquerque e Silva, atual conselheiro do CARF e pai do líder do PP
na Câmara, deputado Eduardo da Fonte (PE), o conselheiro Paulo Roberto Cortez e
o ex-presidente do CARF Edson Pereira da Silva integram a relação
. Na casa de Leonardo Manzan, genro do ex-secretário da
Receita Otacílio Cartaxo e um dos ex-conselheiros investigados, a PF
apreendeu R$800 mil em espécie. 

A corrupção e a impunidade são, irretorquivelmente, as raízes de todas as mazelas do Brasil. É preciso desnudá-las e erradicá-las, sob pena de um futuro sombrio para toda a nação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *