Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Alô, bancada federal e MPF!

O Brasil caiu para sua pior classificação no ranking mundial de competitividade, chegando ao 56° lugar este ano, de acordo com estudo desenvolvido pelo IMD (International Institute for Management Development), em parceria com a Fundação Dom Cabral.
O desempenho ruim da economia, com taxa de emprego e índice de preços altos, fez o Brasil perder posições pelo quinto ano consecutivo: está agora à frente apenas de Mongólia, Croácia, Argentina, Ucrânia e Venezuela. Em 2010, tinha a 38ª posição. A lista é liderada por Estados Unidos, Hong Kong, Cingapura, Suíça e Canadá.
Dentre os latino-americanos, o Chile tem a melhor posição (35°). O Brasil perde principalmente por ineficiência do governo, quesito que abrange os impactos do ambiente político, institucional e regulatório sobre a competitividade de cada país.
Desde 2011, o Brasil figurava entre os cinco piores nesse fator, e agora está em 60° lugar, à frente apenas da Argentina.
No quesito subornos e corrupção, o país é campeão no ranking.
A infraestrutura é outro gargalo que situa o Brasil entre os piores. 

A situação é feia. Se antes já estava sendo enrolado há anos pela União a pretexto de ajustes, agora mesmo é que o derrocamento do Pedral do Lourenço não sai do papel, com os cortes no orçamento. A não ser que a bancada federal acorde de seu torpor e se mexa para efetivamente garantir a obra, sem a qual a luta de mais de três décadas pelas eclusas de Tucuruí terá sido em vão. Pior: se não tiver uso, a obra que custou R$1,6 bilhão pode se deteriorar, o que é inaceitável e inescusável. O Ministério Público Federal também poderia acionar o governo federal a fim de que seja obrigado a executar a obra, assegurando assim que essa montanha de dinheiro não vá literalmente por água abaixo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *