O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

Nota do Sinjor-PA e APJ

“O Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA) e a Academia Paraense de Jornalismo (APJ), tornam público a sua extrema preocupação com a insegurança a que toda a população está exposta e os alarmantes índices de criminalidade que crescem nos últimos dias. 

É preciso que se dê um basta a essa situação de absoluta inversão de valores, onde cidadãos de bem, trabalhadores e estudantes, a população em geral, se veem aprisionados nos domicílios, reféns da violência e do medo, receosos de sair às ruas para não se tornarem novas vítimas, enquanto criminosos sem escrúpulo algum transitam livremente impulsionados pela impunidade. 

Não é a primeira vez que o Sinjor-PA cobra providência das autoridades de Segurança Pública. No ano passado, depois que pessoas inocentes foram mortas em diversos bairros de Belém, na noite e madrugada seguinte de 4 de novembro, o Sinjor-PA enviou o Ofício 183/2014 à Secretaria de Estado de Segurança Pública e até hoje não recebeu resposta. 

Sabe-se, porém, que a responsabilidade não é apenas da Segurança Pública ou da Justiça e que o problema só será resolvido quando houver integração e trabalho sério de todas as políticas públicas, como Educação, Saúde, Justiça e Assistência Social, dentre outras, que garantam às crianças, adolescentes e jovens paraenses oportunidades de estudar, crescer, trabalhar e progredir. 

Enquanto isso não acontecer, viver numa sociedade pacífica continuará sendo uma utopia. 

Quanto aos profissionais de jornalismo, que ficam mais expostos à violência nesse tipo cobertura, o Sinjor-PA tem exigido que os veículos de comunicação providenciem equipamentos de segurança, como coletes à prova de bala para as equipes de reportagem, sob pena de exporem os jornalistas ao risco de morrer em pleno exercício da profissão. 

O Sinjor-PA orienta os jornalistas a observar os princípios éticos e de Direitos Humanos no trato profissional e evitar a divulgação de imagens excessivamente sangrentas. Ainda, é dever do profissional apurar os fatos com responsabilidade e não reforçar a comoção, angústia e medo coletivo disseminando vídeos, fotos e informações sem credibilidade ou sem fontes oficiais a fim de não colaborar com o clima de insegurança. O Sindicato também está tomando providências por meio de ações judiciais para coibir os exageros impostos aos jornalistas pelas linhas editoriais dos veículos de comunicação do Estado. 

Assim, Sinjor-PA e APJ conclamam os jornalistas e a população em geral a participarem da caminhada contra a violência que acontecerá, neste domingo (31), com saída às 8 horas da manhã da Praça Pedro Teixeira (escadinha ao lado da Estação das Docas).
‪#‎Nãoàviolência‬ ‪#‎Jornalistasquerempaz‬”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *