Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

55 obrigações violadas em Belo Monte

No melhor estilo “faça o que eu digo, mas não o que eu faço“, a premissa do Projeto Básico Ambiental da UHE-Belo Monte, elaborado pela própria Norte Energia e aprovado pelo Ibama, assim dispõe: A condição do atingido não deve ser observada do ponto de vista unicamente territorial e patrimonialista, e sim reconhecer uma situação onde prevalece a identificação e o reconhecimento de direitos e de seus detentores, evoluindo significativamente na amplitude com que procura assegurar a recomposição, e mesmo melhoria, das condições de vida das populações afetadas”.   O enunciado deveria ser rigorosamente cumprido pelo empreendimento. Mas não foi o que constatou a inspeção do Ibama, Funai, Conselho Nacional de Direitos Humanos, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), (Defensoria Pública da União) e Defensoria Pública do Estado, além dos pesquisadores da Unicamp, USP e UFPA. 

Em Altamira, há 78.793 hectares impactados pela usina e quase duas mil famílias atingidas só na área rural. São agricultores, pescadores, extrativistas e ribeirinhos que, se o PBA fosse obedecido, deveriam ter recebido o necessário para recompor as condições em que sempre viveram. Ao invés disso – e de acordo com dados oficiais da própria Norte Energia -, 75% deles receberam só indenização em dinheiro. A opção de reassentamento praticamente inexiste.

O relatório preliminar da inspeção enumera 55 constatações de descumprimento das obrigações da hidrelétrica e violações dos direitos dos atingidos. O Ministério Público Federal recomenda intervenção urgente no processo para paralisar a chamada balsa da demolição, que há meses percorre o Xingu fazendo a remoção dos ribeirinhos e pescadores que estão nas áreas a serem alagadas pela UHE- Belo Monte. O documento definitivo está sendo finalizado pela equipe de antropólogos do MPF que participou dos trabalhos. 

Confiram aqui as constatações de descumprimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *