Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

55 obrigações violadas em Belo Monte

No melhor estilo “faça o que eu digo, mas não o que eu faço“, a premissa do Projeto Básico Ambiental da UHE-Belo Monte, elaborado pela própria Norte Energia e aprovado pelo Ibama, assim dispõe: A condição do atingido não deve ser observada do ponto de vista unicamente territorial e patrimonialista, e sim reconhecer uma situação onde prevalece a identificação e o reconhecimento de direitos e de seus detentores, evoluindo significativamente na amplitude com que procura assegurar a recomposição, e mesmo melhoria, das condições de vida das populações afetadas”.   O enunciado deveria ser rigorosamente cumprido pelo empreendimento. Mas não foi o que constatou a inspeção do Ibama, Funai, Conselho Nacional de Direitos Humanos, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), (Defensoria Pública da União) e Defensoria Pública do Estado, além dos pesquisadores da Unicamp, USP e UFPA. 

Em Altamira, há 78.793 hectares impactados pela usina e quase duas mil famílias atingidas só na área rural. São agricultores, pescadores, extrativistas e ribeirinhos que, se o PBA fosse obedecido, deveriam ter recebido o necessário para recompor as condições em que sempre viveram. Ao invés disso – e de acordo com dados oficiais da própria Norte Energia -, 75% deles receberam só indenização em dinheiro. A opção de reassentamento praticamente inexiste.

O relatório preliminar da inspeção enumera 55 constatações de descumprimento das obrigações da hidrelétrica e violações dos direitos dos atingidos. O Ministério Público Federal recomenda intervenção urgente no processo para paralisar a chamada balsa da demolição, que há meses percorre o Xingu fazendo a remoção dos ribeirinhos e pescadores que estão nas áreas a serem alagadas pela UHE- Belo Monte. O documento definitivo está sendo finalizado pela equipe de antropólogos do MPF que participou dos trabalhos. 

Confiram aqui as constatações de descumprimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *