Em sentença publicada hoje no Diário da Justiça do Pará, a juíza Blenda Nery Rigon Cardoso, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Belém, em substituição ao juízo da 9ª Vara Criminal, absolveu sumariamente a jornalista Franssinete Florenzano, editora…

Em pleno Dia Internacional dos Museus, foi inaugurada a exposição Sentinela do Norte: A Independência do Brasil no Grão-Pará, realizada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Pará em parceria com a Cátedra João Lúcio de Azevedo, o Instituto Camões e…

O Complexo Turístico do Ver-o-Rio foi o cenário da celebração do projeto de lei de autoria da vereadora Lívia Duarte, presidente municipal do Psol, que criou o Estatuto de Igualdade Racial de Belém. O prefeito Edmilson Rodrigues, vereadores e representações…

As pessoas andam com os nervos à flor da pele e à beira de um ataque de nervos. Muitas tragédias têm sido causadas pela falta de temperança, paciência e serenidade, principalmente no trânsito. Pior é quando o causador é agente…

Vovó Julia cassou Santa Joana D’ Arc

Mais um “causo” do livro ainda inédito do advogado Ronaldo Passarinho, conselheiro aposentado e ex-presidente do TCE-PA, ex-deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa do Pará, remista apaixonado, relatado com com exclusividade:

“Na minha juventude uma revista americana nos empolgava pela variedade de informações e artigos utilitários. “Seleções do Reader Digest” trazia em seu bojo uma coluna intitulada “Meu tipo inesquecível”. Não poderia escrever sobre apenas um tipo pois durante minha longa vida tive diversos que me marcaram até hoje. Minha avó materna, Julia Passarinho foi um dos maiores.

Nascida e criada em Viseu, de lá saindo após seu casamento, vovó Julia manteve a vida inteira hábitos arraigados em sua juventude. Ensinou “máximas” úteis até hoje: “remédio que não arde, não presta”; “não precisamos de nada na vida mas, muitas vezes, até as ervas que crescem nas calçadas e quintais nos são úteis”. Referia-se à erva cidreira, ao chá do maracujá, ao chá do broto de laranjeiras, etc., etc. Quando um objeto se perdia, o remédio era uma oração em forma de quadrinha que se mostrava infalível: “São Tomaz de Vila Nova, Bispo e Arcebispo, deparai com o perdido, pelas chagas de Jesus Cristo”. Até hoje, Marília e eu, quando estamos aflitos, recorremos a São Tomaz, mesmo sem saber da sua existência. O resultado é sempre bom e o objeto “fujão” logo aparece.

Católica por tradição familiar, vovó Julia mantinha um oratório com muitas imagens de santos e santas. No seu quarto, na nossa casa, um enorme móvel chamado de gavetão, com três gavetas, guardava suas roupas, lençóis, toalhas e algumas quinquilharias. Em um certo domingo, tio Saint-Clair e tio Jarbas foram me buscar em casa para assistirmos a um jogo entre Remo e Paysandu. Vovó tomou uma providência para ajudar em uma vitória do Remo. Uma imagem de Santa Joana D’Arc, guerreira que expulsou da França os invasores ingleses, foi colocada em um móvel da sala de jantar, circundada por velas. Promessa feita, fomos para o estádio. Na nossa volta, vovó, ansiosa, perguntou o resultado. Disfarçando a tristeza, anunciamos a vitória do … Paysandu. Vovó não contou conversa. Apagou as velas que cercavam a santa, pegou a sua imagem, foi para o seu quarto, abriu a gaveta de baixo, tirou uma toalha de banho, envolveu a imagem da santa que não atendeu suas preces e a colocou de castigo no fundo do móvel. Santa Joana D’Arc, queimada na fogueira há muitos séculos, desta vez foi cassada pela vovó Julia.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *