Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Violência e impunidade

Ontem, por volta das 18h30, o ônibus Ver-O-Peso/Icoaraci foi tomado de assalto por dois homens armados, na rodovia Arthur Bernardes, na Pratinha. Enquanto um pôs um facão no pescoço do motorista, outro recolheu os pertences de todos os passageiros. Ambos desceram no Tapanã e fugiram sem serem incomodados. Os passageiros perguntaram ao motorista se ele não deveria parar o ônibus para fazer BO, mas ele contou que a empresa manda que continuem trabalhando normalmente, e só no fim do expediente façam o registro da ocorrência. É mais um exemplo da aterrorizante estatística da violência de cada dia que aflige a população, principalmente aqueles que já são os menos favorecidos. Além de perderem tudo o que compraram com muito sacrifício, os trabalhadores ainda são obrigados a trafegar em um coletivo cujo condutor não tem a menor condição psicológica de transportar quem quer que seja, colocando as vidas de todos – os passageiros e os que trafegam na via em que estiver, inclusive pedestres e ciclistas – em risco.

É de se perguntar se o sindicato da categoria já denunciou isso, pedir providências urgentes ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério Público do Estado para coibir essa situação desumana imposta pelas empresas, cobrar da Secretaria de Segurança eficiência e eficácia e do Judiciário a garantia da ordem pública. Ninguém aguenta mais. O crime organizado se sabe que transcende os limites estaduais. Porém, a ação de bandidos que assaltam diuturnamente as pessoas nos pontos de ônibus e nas ruas se deve à ausência de uma ação efetiva da Segup na prevenção e combate ao crime e à impunidade de facínoras reincidentes que são postos em liberdade.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *