O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Vicente Salles

Ontem à noite, o blog teve uma conversa de longo curso com o grande Vicente Salles – antropólogo, folclorista, historiador, musicólogo, pesquisador e poeta. Na verdade, mais uma audição, porque ele é um arquivo vivo do qual se bebe aos borbotões sobre todos os assuntos, tal é sua imensa bagagem cultural e tão agradável seu convívio. Ele fala baixinho, sabe ouvir e, quando abre a boca, tem um mundo de revelações a fazer.
Sabiam que foi ele a descobrir que a primeira vez que um brasileiro viu a cara do Marx, num desenho, foi num jornal do Pará, do fim do século XIX? Com paciência infinita, lendo e recortando, peregrinando pelo interior do Pará, abriu as portas da História, mapeou quilombos, organizou riquíssimo acervo de partituras manuscritas e impressas, discos, fitas, imagens, livros, folhetos e recorte de jornais.
Vicente Salles continua pesquisando e escrevendo com o mesmo cuidado, esmero e entusiasmo com que recupera velhos manuscritos para que não se percam, corroídos pela ação do tempo e pelo descaso. Sua vitalidade ímpar precisa ser aproveitada, com a publicação da sua produção.
Dica para quem quiser conhecer melhor sua obra: a Coleção Vicente Salles é referência na Biblioteca do Museu da Universidade Federal do Pará (na Rui Barbosa com José Malcher). Lá está disponível para consulta um conjunto de folhetos de cordel, paraenses e nordestinos, que tratam do folclore brasileiro, banco de partituras com cerca de 3 mil peças de compositores – verdadeiro resgate da memória musical do Estado desde 1878 -, e uma hemeroteca com quase 70 mil recortes de jornais sobre assuntos diversos, principalmente arte, música, literatura e cultura popular.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *