Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

Fulano de Tal

Valor de mercado da Eletrobras pode chegar a R$ 90 bilhões

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, afirmou nesta quarta-feira (20) que a expectativa do governo é que o valor da Eletrobras suba para R$ 80 bilhões a R$ 90 bilhões após a sua privatização.

“A empresa valia R$ 9 bilhões, hoje já vale R$ 30 bilhões e, com esse processo de democratização do capital, nossa expectativa é ver a Eletrobras, em um futuro breve, valendo de R$ 80 bilhões a R$ 90 bilhões”, disse. A privatização da Eletrobras foi anunciada em agosto pelo governo.

Coelho Filho participou de um seminário em Nova York, nos Estados Unidos, que discutiu oportunidades de investimentos no Brasil nos setores de transportes, energia, petróleo e gás.

Decisões futuras

Ao explicar como será feito o processo de privatização, o ministro afirmou que o governo não irá votar quando a Eletrobras for decidir quais usinas ela comprará da União.

Segundo o ministro, o governo vai ofertar para a Eletrobras uma série de usinas que estão no chamado sistema de cotas. Esse sistema foi criado em 2012 pelo governo da ex-presidente Dilma Rousseff, dentro do plano que levou ao barateamento das contas de luz.

Essas hidrelétricas recebem uma remuneração mais baixa pela produção de energia que, por isso, chega com preço menor aos consumidores. O governo, porém, alega que um custo extra pela falta de chuva acaba encarecendo a energia dessas usinas e prejudica os consumidores. Por isso, quer que essa eletricidade volte a ser comercializada pelo valor de mercado.

A Eletrobras decidirá com quais pretende ficar e, para isso, pagará uma outorga à União. Para conseguir pagar pelas usinas, a Eletrobras venderá participação da empresa na bolsa de valores. Com essa oferta de ações, a participação do governo será reduzida. Hoje o governo tem 61% da estatal e a expectativa é que a participação fique abaixo de 50%.

Fonte: Globo.com

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

0 resposta em “Fulano de Tal”

Compartilhar