0

A Academia Paraense de Letras, presidida pelo advogado, escritor, jornalista, orador, professor e conferencista Ivanildo Alves, realizou sessão solene para abrir oficialmente o V Encontro Cultural e Literário da Lusofonia, dentro do Projeto Heranças Portuguesas na Amazônia. A APL está recepcionando até a próxima semana a comitiva portuguesa liderada pela presidente da Academia de Letras de Trás-os-Montes, em Bragança(PT), professora e escritora Maria da Assunção Anes Morais, também correspondente da Academia Internacional da Cultura Portuguesa, e que inclui o jornalista e escritor A. F. Caseiro Marques e a escritora e professora doutora Fabiana Ballete de Cara Araújo, sócia honorária da Academia de Letras de Trás-os-Montes e titular da Academia de Letras do Brasil, vencedora do Prêmio Literário da Lusofonia Professor Adriano Moreira, com o romance “O silêncio Guardado nas Horas” e do Prêmio Literário Trinta-por-uma-linha, com “Mãenhê, que cheiro bom é este?” ambos em Portugal.

Prestigiaram o evento na APL a secretária municipal de Educação, Araceli Lemos, representando o prefeito de Belém, que é membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Edmilson Brito Rodrigues; a vice-cônsul de Portugal, Maria Fernanda Granja Gonçalves Pinheiro; o cônsul honorário da República Tcheca, Ernane Malato; a presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Anaíza Vergolino; a antropóloga e pesquisadora Maria de Nazaré Santos Paes de Carvalho, idealizadora e coordenadora do Projeto Heranças Portuguesas na Amazônia e diretora da Casa de Estudos Luso Amazônicos da UFPA por doze anos; a representante da Associação Comercial do Pará, Nazaré de Mello e Silva Uchoa; o representante da Academia Paraense de Letras Jurídicas, Célio Simões de Souza, e a presidente da Academia Paraense de Jornalismo, jornalista e advogada Franssinete Florenzano; o Tenente Coronel Alves, representando o Comando Militar do Norte; e o Capitão de Fragata Henrique Afonso, representando o IV Distrito Naval.

O presidente da Academia Paraense de Letras, Ivanildo Alves, saudou a comitiva lusitana declarando que “Portugal não é somente um espaço territorial situado na Europa. Portugal é muito mais que isso. Sua presença é altaneira em todos os continentes, representa uma cultura rica e densa. Desde os primórdios do Condado Portucalense, o povo português soube projetar-se, com suas instituições, seus costumes e, sobretudo, seu idioma. O povo brasileiro, resultado da miscigenação de várias raças, pulsa em suas veias o sangue lusitano. Brasil e Portugal são dois povos irmãos, unidos eternamente por suas perenes tradições. Transcorridos mais de cinco séculos que o almirante português Pedro Álvares Cabral aportou suas naus neste chão brasileiro, eis que um seleto grupo representativo da Academia Literária de Trás-os-Montes comparece ao Brasil, na capital do Pará, Belém, para breve e fraternal colóquio literário e troca de experiências históricas, culturais e linguísticas no V Encontro Luso-Amazônico. Uma honra para todos nós, que integramos a Academia Paraense de Letras, recepcionar nossos irmãos lusitanos”.

A importância e os fundamentos do projeto Heranças Portuguesas na Amazônia foram objeto de explanação da antropóloga Nazaré Paes de Carvalho. Na sequência, o acadêmico Célio Simões, advogado, jornalista, escritor, professor e pesquisador que integra a APL, a APLJ, a APJ e o IHGP, falou para o seleto auditório sobre as razões pelas quais Óbidos (PA) é considerada a mais portuguesa cidade da Amazônia, e ilustrou sua palestra com um vídeo institucional da Prefeitura de Óbidos, com dez minutos de duração, no qual o professor e historiador Carlos Vieira trata detalhadamente da “Cidade Presépio”, desde as suas origens indígenas, militar e religiosa até os dias atuais, com destaque à arquitetura que se assemelha à dos casarões de muitas cidades lusitanas. Exibiu, ainda, outro vídeo, de um minuto, sobre o Carnapauxis, o original carnaval obidense.

A noite cultural contou com declamação de poesias de autoria do acadêmico Zenaldo Coutinho Jr., advogado, escritor, poeta, político, conferencista e pesquisador, intituladas “Poema do Abandono” e “O Amor”; da acadêmica Sarah Rodrigues, juíza de Direito, poeta, escritora e pesquisadora, que recitou poema de sua autoria em homenagem ao fundador e primeiro presidente da Academia Paraense de Letras, Domingos Antonio Raiol, o Barão de Guajará, também fundador e presidente do IHGP; e do acadêmico José Figueiredo, poeta, escritor e pesquisador que declamou uma poesia de Camões, sua especialidade. Em seguida, o acadêmico Salomão Habib, consagrado violonista, compositor, poeta, pesquisador, escritor, professor e contador de histórias, apresentou um pocket show que embeveceu os presentes.

O orador oficial do V Encontro Cultural e Literário da Lusofonia foi o acadêmico Antônio José Matos. Fiel ao seu estilo, o escritor, articulista, advogado, conferencista, jurisconsulto e professor doutor, que integra a APL, o IHGP e a APLJ, contemplou a plateia com verdadeira obra literária, intitulada “Brasil, o mais lusitano país fora da Europa”. Ao agradecer a acolhida, Anes Morais discorreu sobre as atividades da Academia de Letras de Trás-Os-Montes, destacou os pontos que aproximam o Pará de Portugal e disse da alegria de sua comitiva em estar em terras parauaras.

Durante a solenidade, o presidente da APL outorgou aos acadêmicos lusitanos os títulos honoríficos de Amigos da Academia Paraense de Letras.

Compõem a diretoria da Academia Paraense de Letras encabeçada por Ivanildo Alves o juiz de Direito, escritor, pesquisador, jornalista e membro do corpo consular Ernane Malato (vice-presidente); a escritora, professora, pesquisadora, folclorista e artista plástica Nazaré de Mello Uchoa (1ª Secretária); o escritor, advogado, jornalista e político João Augusto de Oliveira (2º Secretário); o escritor, pesquisador e padre Ronaldo Menezes (diretor de Finanças); o jornalista, cronista, romancista, articulista, editor e pesquisador Denis Oliveira Cavalcante (diretor da Biblioteca) e o escritor, pesquisador, palestrante e editor Flávio Quinderé Tavares (diretor de Arquivo).

A Comissão Organizadora do V Encontro Literário da Lusofonia – 2023 é composta pelos acadêmicos Ivanildo Alves, Flávio Quinderé, Antônio José Mattos, Betânia Fidalgo Arroyo (professora doutora, escritora, pesquisadora, reitora da Universidade da Amazônia, presidente do Conselho Estadual de Educação do Pará e diretora da Escola Superior do Legislativo), Sarah Rodrigues, Nazaré de Mello Uchoa, Océlio Morais (professor doutor, magistrado trabalhista, jornalista, escritor e pesquisador), Ernane Malato, Célio Simões, Zenaldo Coutinho e Walbert Monteiro (jornalista, escritor, editor, folclorista e pesquisador), que também funcionou como mestre de cerimônia.

Unama, Assembleia Legislativa, Prefeitura de Belém e Editora Acadêmica do IHGP apoiam o V Encontro Literário da Lusofonia – 2023.

Arquivo Público do Pará mostra acervo inédito do DOPS

Anterior

Brasil, o mais lusitano país fora da Europa

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *