Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Utilidade Pública Estadual do IHGP

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou projeto de lei declarando e reconhecendo o Instituto Histórico e Geográfico do Pará de utilidade pública estadual. A iniciativa é do presidente da CCJ, deputado Raimundo Santos(PEN) e o relator, o líder do Governo, deputado José Megale(PSDB). O IHGP tem 114 anos de criação. É uma associação cultural e científica do Estado, representada por personagens da historiografia e intelectualidade. Tem 40 sócios efetivos, ocupantes das cadeiras, e cada uma delas representada por um patrono.
Instituição científica e cultural localizada no emblemático bairro da Cidade Velha, em Belém, ao lado da Alepa, sua fundação remonta a 3 de maio de 1900. 

Domingos Antonio Raiol, o Barão do Guajará, herdou o prédio ao se casar com a sobrinha do Visconde de Arari, tornando-se, ele e seus familiares, os últimos moradores do belíssimo solar, que hoje é patrimônio municipal cedido ao IHGP. O Barão morreu nessa casa em 1912, aos 82 anos de idade e, em 1942, o então prefeito de Belém, Abelardo Leão Conduru, adquiriu o prédio de um de seus herdeiros e com ele os móveis e a biblioteca. Desde 1944 abriga o Instituto Histórico e Geográfico do Pará, atualmente submetido a demorada restauração.

A partir de seu surgimento, sempre foi objetivo do IHGP promover estudos e explorações geográficas, investigações históricas, arqueológicas e etnográficas, de sorte a acumular crescentes dados para o domínio e o conhecimento dos homens de ciência.
Na virada do séc XIX, o Instituto Histórico e Etnográfico do Pará, como inicialmente foi denominado, se colocou na condição de intérprete e “guardião do passado”, cultuando os grandes vultos e heróis, exaltando as narrativas históricas e biográficas. Entre os patronos das cadeiras do Instituto figuram Jorge Hurley, Palma Muniz, Euclides da Cunha, José Veríssimo, Theodoro Braga, Tito de Almeida e Hygino Amanajás, entre outros intelectuais de grande relevância regional e nacional.

Entretanto, o Instituto se desestruturou, sendo refundado em 1917 como parte importante das ações cívicas programadas pela intelectualidade local desde 1916, em comemoração ao Tricentenário de Belém, e logo ganhou apoio da oficialidade republicana e da imprensa local. Belém, na primeira década do século XX, vivia a euforia trazida pelo boom da borracha, respirava modernidade.
No contexto de criação de uma identidade regional, amazônica, caberia ao IHGP a tarefa de construir e ressignificar o lugar e o papel da História. Às vésperas dos 400 anos de Belém, é questão de justiça reconhecer e declarar de utilidade pública estadual uma instituição que tanto tem contribuído para o Pará e o Brasil.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *