Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Uma mulher faz história no futebol

Primeira mulher a presidir – e ser reeleita com votação consagradora – a Tuna Luso-Brasileira, clube com 119 anos de existência, Graciete Maués, 72 anos, professora de Educação Física aposentada, assume interinamente a presidência da Federação Paraense de Futebol na próxima segunda-feira e de novo marca a história do Pará e do futebol brasileiro como a primeira mulher a ocupar o cargo. Ela já anunciou que se afastará do comando da Tuna para se dedicar exclusivamente à eleição na FPF.

Em pouco tempo Graciete deu exemplos sólidos de competência na gestão do clube. A Tuna havia encerrado sua participação na segunda divisão paraense sem vencer um jogo sequer e vivia um calvário. Estava fora da elite estadual desde 2013. Sofrera um penúltimo lugar em 2015 e duas eliminações sequenciais nos pênaltis na fase final, em 2018 e 2017. A Águia Guerreira, como o clube é conhecido, estava machucada. Diretora social da Tuna Luso por quase 40 anos, ela trabalhou no clube durante gestões de 15 presidentes diferentes, e conhece “como a palma da mão” as suas engrenagens.

Assim que Graciete assumiu o mando a Tuna quebrou o jejum de oito anos, garantiu o título da Segundinha e o acesso ao Campeonato Paraense. Foi vice-campeã do Parazão-2021 e, com isso, garantiu vaga no Brasileiro da Série D e na Copa do Brasil de 2022. Agregadora, ela sabe liderar: não centraliza, não teme que lhe façam “sombra” e delega funções àqueles com perfil adequado. Além disso, prefere tratar com equidade os jogadores, evitando privilegiar alguns com salários altos em detrimento dos demais. Afinal, o futebol é um esporte coletivo, e não adianta um jogar bem se os outros estiverem desestimulados. Uma frase dela resume seu pensamento: “aqui não temos estrelas e sim uma constelação”. A seriedade de sua gestão é reconhecida. Os pagamentos são em dia e a Tuna mantém importante diferencial em sua escolinha: o esporte adaptado.

A eleição para presidente da FPF deveria ter sido em 28 de dezembro de 2021, mas uma ordem judicial suspendeu o pleito. O mandato de Adelcio Torres, que tenta a reeleição, expirou. O estatuto da entidade prevê que, nesse caso, o comando fica provisoriamente com a presidência do clube mais antigo em atividade: a Tuna, Graciete Maués à frente. Ela irá convocar a Assembleia Geral, deslanchando o processo eleitoral na FPF e, fiel ao seu estilo participativo, já avisou que não atuará sozinha, terá pessoas ao seu lado para ajudá-la. Além de Adelcio Torres, concorrem à presidência da Federação Paraense de Futebol Paulo Romano, que era um dos vices da entidade, e Ricardo Gluck Paul, ex-presidente do Paysandu.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *