Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A ilha refém do modal rodoviário

Apesar de ser distrito insular de Belém, Caratateua – nome de origem Tupi Guarani que significa “Terra das Grandes Batatas” ou “Lugar das Muitas Batatas” (ali havia plantações de batata-doce em grande quantidade), com cerca de 80 mil habitantes distribuídos nos bairros Itaiteua, São João do Outeiro, Brasília, Água Boa, Fama, Fidelis, Tucumaeira e água Cristalina, Outeiro (nome adotado pela população) é refém do transporte rodoviário. Distante cerca de 25 Km do centro de Belém, ligado ao distrito de Icoaraci através da ponte Governador Enéas Martins, sua população é submetida a verdadeira tortura todas as vezes em que a ponte é interditada por choques de balsas graneleiras ou madeireiras, e não são poucas essas ocasiões, como de novo aconteceu no início desta semana. É uma boa ocasião para rever paradigmas e reverter a distorção histórica na matriz de transporte, aproveitando a localização geográfica privilegiada, na maior bacia hidrográfica do planeta.

Até nos anos 1970 e início da década de 1980, o acesso de Belém a Outeiro era sempre por via fluvial. Com a ponte, construída em 1986, o modal hidroviário, comprovadamente mais barato, mais rápido, mais seguro e ecológico, além de agradável, foi abandonado. A paisagem ribeirinha da viagem foi substituída por um trajeto rodoviário violento, com engarrafamentos diários, atropelamentos e colisões de veículos, poluição sonora e ambiental. Em consequência, gente morta, ferida, mutilada. Pessoas que infartam ou sofrem AVCs no trânsito porque vão chegar atrasadas aos seus compromissos. Qualidade de vida ruim, com alto nível de estresse e respirando gás carbônico dos escapamentos das carretas e ônibus.

O ambientalista Zé Carlos Lima, do Partido Verde, resolveu fazer hoje uma viagem no navio que está sendo ofertado pelo Governo do Pará na travessia a partir do Terminal Hidroviário de Belém ao distrito de Outeiro e vice-versa. Atestou com fotos e vídeos um percurso tranquilo, fora do horário de pico, no meio da manhã, aproveitando o vento da baía do Guajará e a vista da cidade, além do movimento que é próprio do rio, com prática de esportes e transbordo de combustível, por exemplo, no Terminal Petroquímico de Miramar, da Companhia Docas do Pará.

Outeiro poderia ser importante atrativo turístico, gerar novos negócios e empregos, com suas praias de água doce, a orla urbanizada e o artesanato local, mas foi relegado a segundo plano e se tornou periferia de Belém, classificado como área vermelha, de alto risco. Sem ruas pavimentadas nem iluminação pública, mato e lixo proliferando e o tráfico ditando quem vive ou morre. Tanto que agora a prefeitura instalou três refletores na rua Dois de Dezembro – 7ª Rua, onde está sendo feita a travessia, outros dez ao longo da BL-10, além de manutenção emergencial nas ruas que dão acesso à travessia, e hoje de manhã a Seurb iniciou reforço no sistema de iluminação na área do Porto da CDP (antiga Sotave), na área de embarque. Outra medida tomada é o serviço de uma viatura da iluminação pública, para atender a comunidade da ilha.

Hoje o Trapiche Francisco José de Sampaio ficou interditado para a execução de reforço estrutural nas colunas de sustentação e passarelas, cobertura da passarela e instalação de defensas metálicas. O pilar avariado ontem por uma balsa foi recuperado, com substituição de uma estaca de proteção. Por conta disso foi paralisada a operação da balsa e do ferryboat no período de 24h, até às 4h da manhã deste sábado, dia 22. A Prefeitura de Belém liberou durante o dia todo, até amanhã, o transporte de veículos de carga nas balsas. A travessia dos caminhões será feita de forma gradativa, a prioridade de embarque é dos pedestres e veículos de pequeno porte.

Na terça-feira passada, 18, em reunião na Sala de Situação do Ciop, ficou definido limitar a travessia de transporte de carga no horário de 22h até 04h da manhã do dia seguinte. A exceção ficou para caminhão ¾ com capacidade para até três toneladas e caminhão compactador de lixo, a serviço da Secretaria de Saneamento (Sesan), com capacidade para até 18 toneladas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *