Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Igreja do séc. XVIII em risco por falta de cuidados

A fiação elétrica emaranhada aos galhos de árvores na frente da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, entre as ruas Padre Prudêncio e Aristides Lobo, no bairro da Campina, em Belém do Pará, é o retrato da tragédia anunciada. Além do descaso com vidas humanas e a memória do município, do Estado e do país, por óbvio. A qualquer momento um incêndio de grandes proporções pode acontecer, ceifando vidas e transformando em cinzas a igreja, uma das edificações históricas da cidade, datada do século XVIII, entre 1725 e 1800, joia da arquitetura parauara, projetada pelo italiano Antonio Landi e construída com muito sacrifício e devoção pelos escravos negros, que durante quase dois séculos, depois de cada dia pesado de trabalho, caminhavam em fila pelas ruas, cantando em coro e carregando na cabeça pedras, tijolos, argamassa, tábuas para construir a sua igreja. Compadecido, até o então governador Manoel Bernardo de Melo e Castro, capitão general do Estado do Grão Pará, Maranhão e Rio Negro, contribuiu com 50 mil réis mensais para as obras. Landi desenhou a igreja, doou dinheiro para a compra de material de construção e ajudou a levantá-la.

No dia 15 de junho do ano passado a igreja do Rosário, vinculada à Paróquia da Santíssima Trindade e à Arquidiocese de Belém, protocolou sob o n° 2939/2021, na Semma – Secretaria Municipal de Meio-Ambiente de Belém, documento pedindo a poda das árvores, bem como a retirada das ervas daninhas e o controle de pombos que ameaçam a linda igreja, tombada pelo Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e marco de fé e esperança, porém até hoje nenhuma providência foi tomada. Moradores, trabalhadores e comerciantes das redondezas, fiéis que frequentam a igreja e todos os cidadãos que amam Belém e defendem o patrimônio histórico, artístico e cultural, além do clero, estão aflitos ante a iminência de um sinistro, por falta de medidas da Prefeitura de Belém e da Equatorial Energia, à qual cabe cuidar da fiação elétrica nas vias públicas.

A igreja é também cenário da Cabanagem, que eclodiu em 1835. Os restos mortais de um dos líderes da revolução popular, Antônio Vinagre, morto em combate, foram originalmente lá sepultados.

A história da edificação é tão bela e emocionante quanto o templo em si. Em 1.682 havia ali uma ermida dedicada à milagrosa Virgem da devoção dos negros escravizados, demolida em 1725 e reconstruída nesse mesmo ano, com idênticas dimensões e no mesmo lugar.

Era comandada pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário. Os componentes da “mesa da irmandade” tinham denominações de rei, rainha, príncipe, juiz, mordomo, escrivão, tesoureiro, procurador e zelador. Em caso de impedimento de um ou de outro, eram substituídos por ordem hierárquica “a fim de que não houvesse injustiça”, assinalam os registros do Iphan. Na véspera e no dia da festividade de Nossa Senhora do Rosário, o rei e a rainha assistiam às solenidades religiosas em lugares especiais. Ao entrarem no templo, os soberanos, acompanhados de todos os membros da irmandade, seguiam sem coroa. Regressavam coroados e assim percorriam a cidade, angariando esmolas para a festividade. Era um acontecimento que levava o povo às ruas. Ninguém deixava de contribuir. O rei e a rainha doavam 10 mil réis, cada um, não podendo o dinheiro ser retirado da coleta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *