Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Um ecomuseu na marajoara Vila do Chipaia

O portentoso arquipélago do Marajó, com cinco mil anos de povoamento humano, no qual há 265 anos, naquele 20 de novembro de 1756, foi achado o teso do Pacoval no rio Arari, primeiro sítio arqueológico de cultura marajoara (400 – 1600), descoberto por Florentino da Silveira Frade, fundador da freguesia de N.Sra. da Conceição da Vila da Cachoeira do Rio Arari, acaba de ganhar o Museu da Beira, na Vila do Chipaia. Trata-se de um autêntico ecomuseu, espaço museológico pensado e construído pela própria comunidade, e inaugurado na emblemática data de 15 de novembro deste ano. Abandonado à própria sorte durante séculos, dizimado pelas doenças infectocontagiosas – malária, hanseníase, varíola, pólio, cólera, tuberculose, escarlatina, sarampo, caxumba, zika, chikungunya, febre amarela, dengue, micoses, raiva humana e ultimamente a Covid-19 -, até há poucos anos sem qualquer controle sanitário, o povo marajoara resiste e materializa sozinho pequenos sonhos que revelam feitos grandiosos.

Pois ali, naqueles rincões desconhecidos pelos próprios parauaras, o professor Maués e a professora Genilda Meireles Mesquita, do EJA (Ensino de Jovens e Adultos) da Escola Adaltino Paraense, idealizaram o Museu da Beira. Buscaram e conseguiram o apoio da secretária municipal de Educação, Anete Dias, e de toda a comunidade de Chipaia. E mostraram ao mundo –  e ao município de Cachoeira do Arari – que é possível concretizar um sonho coletivo.

O Museu da Beira tem três vitrines sobre a arqueologia marajoara, dois computadores caipiras sobre os saberes da floresta e dois móveis sobre os fazeres da pesca e mandioca, além de uma exposição fotográfica. Eis a ficha técnica dessa impressionante realização. Proponente: Genilda Meireles Mesquita; curadoria: Edne Maués; arqueóloga: Brenda Bandeira; pesquisa: Adailson Silva; e design de móveis: Giovani Serra.

No Marajó nunca um governante deu tamanho presente. Jamais houve uma parceria comunidade-museu-município-estado-país. A Casa da Memória Mangabeuara, localizada na Vila da Mangabeira, no município de Ponta de Pedras, é também um ecomuseu, fruto da mobilização popular. A importância e o significado dessas iniciativas são gigantescos. Concebidos em meio a uma população historicamente desassistida cujas manifestações culturais milagrosamente emergem em meio aos altos índices de analfabetismo, esses museus são verdadeiros laboratórios e escolas, onde os marajoaras se preocupam em tornar conhecida a sua dignidade e expressão artística.

Enquanto isso, o pioneiro Museu do Marajó – inventado pelo lendário Padre Giovanni Gallo em 1973 no município de Santa Cruz do Arari, e que fechou em 1981 totalmente em ruínas, tendo sido na época transferido todo o acervo para Cachoeira do Arari, onde também jamais obteve a devida atenção do poder público, fechou as portas em 2018, diante de laudo técnico do Corpo de Bombeiros apontando alto risco de desabamento, e continua à espera das obras de reconstrução a cargo da Secult, que ainda estão pela metade. Foi uma das primeiras visitas do governador Helder Barbalho em 2019, e encheu de esperança o povo marajoara, que em boa hora lembra a necessidade desse resgate da sua história, arte e cultura.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *