O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

CineAlter começa nesta quinta-feira

O distrito de Alter do Chão, em Santarém, cenário paradisíaco com suas praias de rio e floresta, é o palco a partir de amanhã, 18, do Festival de Cinema Latino-Americano Cine Alter. Serão seis dias de programação intensa, com exibições presenciais até o próximo dia 23, de mais de 50 filmes, entre longas e curtas-metragens internacionais, nacionais e regionais, além de muita música com artistas da terra. A mostra virtual se estende até o dia 25.

A iniciativa é destinada a promover o intercâmbio de saberes, conhecimentos e difusão do cinema e audiovisual, formar plateia e profissionais locais que venham a se integrar no mercado com conteúdos que contribuam para divulgar a cultura amazônica, priorizando um recorte identitário e territorial, distribuídos em uma mostra competitiva e quatro paralelas, na qual os vencedores de melhor longa e melhor curta serão agraciados com o Troféu Muiraquitã. O Festival é realizado por organizações socioculturais da região, num modelo de gestão integrada e colaborativa.

As Mostras Samaúma, Açaizeiro, Seringueira, Castanheira e Ypê abordam a vida em suas várias formas, a estrutura social, ambiental e cultural da América Latina e seus povos. O cotidiano, desafios, alternativas, vivências diante da pandemia e outras crises. São obras reflexivas, mas com espaço para o entretenimento no contexto contemporâneo. Produções feitas por paraenses, de linguagem livre, que exploram essas especificidades, retrato e relato dos povos tradicionais. Clássicos feitos por amazônidas e sobre amazônidas, sua cultura, suas vivências e desafios. Obras históricas, sem necessariamente serem antigas, mas que tenham provocado impacto no cinema da Amazônia em nível regional ou local. Histórias de periferia e comunidades locais de projetos de formação em audiovisual, com linguagem experimental, produções de baixo custo e equipamentos alternativos.

A abertura oficial será com o rito do Sairé, seguido do filme A Última Floresta, noite musical com Quinta do Mestre e a Sereia, Mestre Osmarino e Chicão Malta. Na sexta-feira a maratona começa com Agarawaitá: Histórias da Amazônia Aykeuara: A Ressurreição de Um Povo. Depois, Boi Pavulagem é Boi do Mundo, Assustado, Matinta, Rio das Amarguras; Meus Santos Saúdam Teus Santos, Alternativas Felizes, Para Quando o Sol Não Vem, A Benzedeira, O Barco e o Rio. A noite musical entra pela madrugada com Chorinho da Dona Glória, Lambateria, Kuatá de Carimbó, Priscila Castro, Zek Picoteiro e Patrícia Lima.

No dia seguinte vai ter As Hiper Mulheres; O que é Sairé?, Minha Vida Por Um Fio e Facão Que Abre Os Caminhos; Manual como Conter uma Raça Poderosa Megg, A Margem Que Migra Para o Centro, Meninos Rimam, e Os Irmãos Afro. Em seguida, noite musical com Jow Pierre Dan Selassie.

A mostra segue com Ervas e Saberes da Floresta, Ribeirinhos do Asfalto, A Guerreira Gavião, Idayuá: As Cores do Xingu, Utopia Ailin na Lua Alunagem, O Mago Georges La Ramada, e Mãe de Todas as Lutas. Noite Cultural com El Puxirum e Felipe Cordeiro.

Na segunda-feira, 22, serão exibidos os filmes Medo da Chuva em Noite de Frio e A Pedreira. A noite cultural será com Mestre Paulinho Barreto e Tatu Kanastra Naieme. E na terça-feira dia 23 serão exibidos O Mistério da Mangueira, Turismo no PAE Lago Grande, Mulheres da Periferia e Suas Lutas, O Pescador de Akayú, O Kurumim Pretinho, O Castigo de João Pescador, Os Guimarães, O Menino Encantado, A Quinta do Mestre e a Sereia .

 A sessão de encerramento terá Me Chama Que Eu Vou, Noite Cultural em homenagem a Sebastião Tapajós, com show de Andresson Dourado e convidados, As Karuana Suraras do Tapajós e a Exposição Sebastião Tapajós, por Vanessa Barros. A cerimônia final vai exibir, ainda, Me Chama Que Eu Vou, de Joana Mariani; Um Dia Qualquer, Ver o Peso Açaí com Jabá, Naiá e a Lua, Nossa Força é a Nossa União e Meu Tempo Menino, filmes de Líbero Luxardo, Emanoel Loureiro, Paulo Maldos, Januário Guedes, Sônia Freitas, Peter Roland, Alan Rodrigues, Marcos Daibes e Walério Duarte, e Leandro Todashi. Muitos artistas do cenário nacional já confirmaram presença no festival.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *