A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Placar inusitado nas contas do governo será apurado

Quando entrou em pauta a discussão do Decreto Legislativo com o parecer da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovando a prestação de contas do governador Helder Barbalho, referente ao exercício de 2020, subsidiado por parecer prévio do Tribunal de Contas do Estado – TCE/PA, os deputados Toni Cunha e Delegado Caveira foram à tribuna fazer severas críticas ao governador e inclusive aos seus colegas deputados. Pediram até para adiar a votação. Submetido o requerimento oral a votação, foi rejeitado, só os dois votaram a favor.

Passada a fase de discussão, entrou em processo de votação, que é secreta e em voto eletrônico. Proclamado o resultado, o espanto: as contas foram aprovadas com 26 votos favoráveis e um voto contrário, sem qualquer abstenção. O deputado Toni Cunha alegou questão de ordem para reclamar do placar inusitado. O deputado Caveira acusou o deputado Wanderlan Quaresma de ter sentado em sua cadeira, “mexido” no seu terminal de votação e alterado seu voto de “não” para “sim”. Wanderlan negou com veemência.

Caveira insistiu, queria anular a votação e repetir o processo. O presidente da Alepa, deputado Chicão, seguindo o Regimento Interno da Casa, aconselhou o deputado a protocolar requerimento nesse sentido e assumiu o compromisso de abrir um inquérito policial destinado a investigar os fatos e apurar as supostas responsabilidades.

Acontece que os votos são criptografados, cada deputado tem uma senha pessoal e intransferível e, mesmo que deixe seu equipamento em plenário logado e outro o use em votação, não poderá usurpar o seu voto, isto porque o sistema solicita de novo a senha a cada procedimento, e um código é gerado em toda operação. E como tanto Wanderlan quanto Caveira e Toni Cunha tiveram seus respectivos votos registrados, o mais provável é que o deputado Caveira tenha digitado sim, naturalmente por engano.

O Decreto Legislativo aprovado sustenta que a prestação de contas do Executivo obedeceu a legislação estadual e federal, os princípios constitucionais e as normas regulamentares na execução dos orçamentos públicos estaduais, e está em consonância com o Plano Plurianual (PPA) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Este placar esta igual ao que o Ministro Barroso diz das urnas eletronicas. INVIOLAVEL. Este Helder ate na Alepa faz barbalhidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *