Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Um bebê empelicado

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda no meio intrauterino, em contato com a mãe. Esse fenômeno extraordinário – cuja ocorrência a literatura médica aponta uma vez a cada 80 mil nascimentos –  acontece quase sempre em cesarianas, porque em geral a bolsa se rompe quando o bebê é expelido pela vagina. E quando em partos normais, na maior parte das vezes o bebê é prematuro. Pois na Santa Casa do Pará, além de ter sido em parto normal, eram gêmeos e um deles veio ao mundo dentro da bolsa e envolto no líquido amniótico.

Miguel e Gabriel são filhos da neuropsicóloga Carolline Sanches, 29 anos, e do técnico de enfermagem Mariano Alves. Miguel nasceu às 10h55n com 2,300 quilos e 44 centímetros; Gabriel, às 10h57, com 2,160 Kg e 42 cm. O pai dos gêmeos participou ativamente do nascimento dos filhos, em momento de extrema emoção gravado em vídeo: foi ele quem rompeu a bolsa amniótica que envolvia Gabriel.

Carolline contou que fez o pré-natal no Ambulatório da Mulher da Santa Casa e manifestou sua gratidão pelo atendimento que ela e os bebês receberam dos profissionais, que ainda presentearam a família com uma arte da placenta. Batizado de “A emoção do parto eternizada”, o projeto começou a ser implantado na unidade em julho deste ano e integra a estratégia do setor de obstetrícia do hospital, reconhecido como Amigo da Criança. Depois de higienizada, a placenta recebe tintas à base de água, depois é carimbada em uma folha de papel cartão, e entregue na alta hospitalar.

A Santa Casa de Misericórdia do Pará é referência no atendimento à gestação de alto risco e realiza mais de duzentos partos gemelares por ano. Mantém atendimento porta-aberta 24 horas, recebe diariamente gestantes de todo o estado e conta com quatro salas cirúrgicas exclusivas para a obstetrícia e dez salas de PPPs (pré-parto, parto e pós-parto) estruturadas com barra de ling, camas PPP, cavalinho, bolas de pilates, banquetas e disponibilidade de água morna, entre outras condições, onde é trabalhado o parto de forma humanizada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *