Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

UFOPA preserva língua Nheengatu

A Universidade Federal do Oeste do Pará e o Movimento Indígena do Baixo Tapajós iniciaram mais uma etapa do curso de Nheengatu no Centro Indígena Maíra. O projeto de extensão conta com a colaboração dos professores Miguel Piloto e Maria Baniwa, indígenas do Rio Negro (AM), e Ciça Veiga, doutoranda em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A iniciativa, que existe desde 1999 em parceria com os Franciscanos de Santarém, já formou dezenas de professores indígenas,  e esta segunda turma irá se formar em julho de 2017. O curso tem duração de dois anos, é dividido em quatro módulos intervalares, e desde 2014 passou a integrar o rol de ações afirmativas da Ufopa. 


Nheengatu é uma palavra indígena que define a Língua
Geral Tupi, que foi sistematizada pelos jesuítas, falada
até o século XIX por etnias que habitavam o litoral do Brasil, e ainda hoje está em uso na Amazônia. 



Os povos indígenas são tradicionalmente agráfos, sem escrita. A educação das crianças é feita por meio da narração de histórias e mitos. Para ser mais eficaz, o letramento, assim como as demais etapas do ensino-aprendizagem, deve tomar a cultura e a tradição oral por referência. Por isso, uma estratégia interessante é contar com a presença de pessoas da própria comunidade na sala de aula.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *