Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

TRF1 reverte área em São Félix do Xingu ao Incra

Em Agravo de Instrumento interposto por fazendeiros, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve decisão do Juízo Federal da Subseção Judiciária de Redenção(PA), que mandou reintegrar a posse do imóvel rural denominado “Complexo Divino Pai Eterno”, situado em São Félix do Xingu (PA), ao Incra, conforme pleiteavam, desde 2015, o Ministério Público Federal, a União e o Incra, em ação civil pública. 

A titularidade do terreno pela União está comprovada nos autos, entendeu o ministro relator do TRF1, acompanhado à unanimidade (processo nº: 0071692-69.2015.4.01.0000/PA). O imóvel rural ocupado fica dentro dos perímetros de área pública e não existe ato formal que justifique a ocupação da área pelos particulares. A sentença reconheceu que a ocupação também trouxe danos de natureza ambiental e fomentou conflitos fundiários na região, havendo notícias da morte de trabalhadores rurais na localidade. Consta nos autos que o Incra informou ter manifestado interesse em destinar a área para reforma agrária. Porém, estava ocupada pelos fazendeiros, que teriam se valido de meios fraudulentos – fracionamento do imóvel em parcelas menores destinando-as a terceiros (“laranjas”) – para induzir os entes públicos a erro e assim pleitear, indevidamente, a regularização fundiária da área, tratando-se de caso típico de grilagem de terras. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *