Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

TRF1 reverte área em São Félix do Xingu ao Incra

Em Agravo de Instrumento interposto por fazendeiros, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve decisão do Juízo Federal da Subseção Judiciária de Redenção(PA), que mandou reintegrar a posse do imóvel rural denominado “Complexo Divino Pai Eterno”, situado em São Félix do Xingu (PA), ao Incra, conforme pleiteavam, desde 2015, o Ministério Público Federal, a União e o Incra, em ação civil pública. 

A titularidade do terreno pela União está comprovada nos autos, entendeu o ministro relator do TRF1, acompanhado à unanimidade (processo nº: 0071692-69.2015.4.01.0000/PA). O imóvel rural ocupado fica dentro dos perímetros de área pública e não existe ato formal que justifique a ocupação da área pelos particulares. A sentença reconheceu que a ocupação também trouxe danos de natureza ambiental e fomentou conflitos fundiários na região, havendo notícias da morte de trabalhadores rurais na localidade. Consta nos autos que o Incra informou ter manifestado interesse em destinar a área para reforma agrária. Porém, estava ocupada pelos fazendeiros, que teriam se valido de meios fraudulentos – fracionamento do imóvel em parcelas menores destinando-as a terceiros (“laranjas”) – para induzir os entes públicos a erro e assim pleitear, indevidamente, a regularização fundiária da área, tratando-se de caso típico de grilagem de terras. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *