A Associação do Ministério Público do Estado do Pará elegeu nesta sexta-feira, 24, a nova diretoria da Assembleia Geral, Diretoria Administrativa e Conselho Fiscal, para o biênio 2022-2024. Os promotores de justiça Alexandre Tourinho e Fábia Fournier, presidente e vice-presidente,…

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema "Na cozinha de Babette", sobre o filme "A festa de Babette", de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de…

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Roberta de Oliveira Santos, homologou, hoje, 24, o pagamento dos direitos trabalhistas a uma mulher que atuava como cozinheira em um grande hotel da cidade, a mais rica do Pará.…

Vai ser em alto estilo, neste sábado (25), ao cair da tarde, a inauguração do restauro do Palacete Faciola: show da Amazônia Jazz Band e abertura das exposições "Belém Passado/Presente", em homenagem ao saudoso professor, arquiteto e urbanista Flávio Nassar;…

TRF1 reverte área em São Félix do Xingu ao Incra

Em Agravo de Instrumento interposto por fazendeiros, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve decisão do Juízo Federal da Subseção Judiciária de Redenção(PA), que mandou reintegrar a posse do imóvel rural denominado “Complexo Divino Pai Eterno”, situado em São Félix do Xingu (PA), ao Incra, conforme pleiteavam, desde 2015, o Ministério Público Federal, a União e o Incra, em ação civil pública. 

A titularidade do terreno pela União está comprovada nos autos, entendeu o ministro relator do TRF1, acompanhado à unanimidade (processo nº: 0071692-69.2015.4.01.0000/PA). O imóvel rural ocupado fica dentro dos perímetros de área pública e não existe ato formal que justifique a ocupação da área pelos particulares. A sentença reconheceu que a ocupação também trouxe danos de natureza ambiental e fomentou conflitos fundiários na região, havendo notícias da morte de trabalhadores rurais na localidade. Consta nos autos que o Incra informou ter manifestado interesse em destinar a área para reforma agrária. Porém, estava ocupada pelos fazendeiros, que teriam se valido de meios fraudulentos – fracionamento do imóvel em parcelas menores destinando-as a terceiros (“laranjas”) – para induzir os entes públicos a erro e assim pleitear, indevidamente, a regularização fundiária da área, tratando-se de caso típico de grilagem de terras. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *