A Associação do Ministério Público do Estado do Pará elegeu nesta sexta-feira, 24, a nova diretoria da Assembleia Geral, Diretoria Administrativa e Conselho Fiscal, para o biênio 2022-2024. Os promotores de justiça Alexandre Tourinho e Fábia Fournier, presidente e vice-presidente,…

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema "Na cozinha de Babette", sobre o filme "A festa de Babette", de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de…

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Roberta de Oliveira Santos, homologou, hoje, 24, o pagamento dos direitos trabalhistas a uma mulher que atuava como cozinheira em um grande hotel da cidade, a mais rica do Pará.…

Vai ser em alto estilo, neste sábado (25), ao cair da tarde, a inauguração do restauro do Palacete Faciola: show da Amazônia Jazz Band e abertura das exposições "Belém Passado/Presente", em homenagem ao saudoso professor, arquiteto e urbanista Flávio Nassar;…

O caso da família alvejada pela PRF


Quando um órgão responsável e garantidor da segurança pública viola os deveres morais, éticos e legais do ordenamento social, com ações que contrariam os preceitos constitucionais, põe em risco toda a sociedade. O relato de uma pacata família, vítima da conduta nefasta de agentes da Polícia Rodoviária Federal, em Marituba(PA), ontem à noite, documentado com fotos que correm as redes sociais, choca pela violência perpetrada. Ricardo da Cunha Bezerra, sua esposa Michelle – grávida de 7 meses – e sua mãe, a professora Vanja da Cunha Bezerra, tiveram seu carro crivado de balas pela PRF quando passaram na barreira perto da Alça Viária, simplesmente porque o veículo foi confundido com outro com as mesmas características, que estava sob perseguição policial. Vanja foi baleada, está internada, e felizmente não corre risco de morte. A família, além do terrível abalo emocional, ainda teve que passar a madrugada inteira entre a delegacia de polícia e o hospital, e está sem o seu meio de transporte. 

Quantos inocentes já não morreram por ações desastradas como essa? A  família – ironia do destino ! – estava indo a um retiro espiritual localizado na BR-316. 

A Corregedoria da PRF já informou que vai tomar medidas para esclarecer o caso, afirma que não compactua com desvios de conduta e que não haverá impunidade. Garante que a família será indenizada pelos danos materiais e morais sofridos, embora nada vá apagar tais momentos de terror de suas vidas quase ceifadas de modo tão irresponsável por quem deveria defendê-las. É preciso mais: os culpados devem ser punidos e os demais advertidos para que nunca, jamais, cometam o mesmo engano. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *