1

Em setembro, foi registrada a metade de toda a área queimada do Brasil em 2022, 5.825.520 hectares. O bioma com a maior extensão consumida pelo fogo foi o Cerrado (2.973.443 ha queimados), mas a Amazônia sofreu o maior aumento de área queimada em relação ao mesmo mês de 2021: 71% (1.080.388 ha a mais). Os dados fazem parte do mais recente relatório do Monitor do Fogo MapBiomas. Mato Grosso é o estado que mais queimou, concentrando quase ¼ da queimada no Brasil de janeiro a setembro deste ano. Pará e Tocantins ocupam o segundo e o terceiro lugar da posição no ranking. Na comparação com agosto, o aumento foi de 52%, no caso da Amazônia, e de 149% no Cerrado. A área queimada no Brasil este ano é maior que Pernambuco.

O Brasil já acumula um total de 11.749.938 hectares queimados entre janeiro e setembro deste ano – área maior que todo o estado de Pernambuco, similar à afetada pelo fogo no mesmo período de 2021 – um aumento de 1%. Mas por trás dessa aparente estabilidade há grandes variações. Houve um crescimento na área queimada de 40% na Amazônia (mais de 1,6 milhões de hectares) e de impressionantes 1500% no Pampa (27.317 hectares).

Praticamente metade das queimadas entre janeiro e setembro deste ano (49%, ou 5.797.298 ha) ocorreu no bioma Amazônia. Porém a situação do Cerrado é alarmante. Embora tenha a metade do tamanho da Amazônia, ficou bem perto dos números amazônicos (46%, ou 5.408.154 ha). Juntos, somam 95% da área queimada no Brasil até setembro de 2022. Quase um terço (29%, ou 1.698.583 ha) afetou florestas, sendo incêndios ou desmatamento seguido de fogo. Esse número é 106% maior do que a área de floresta afetada por fogo no bioma no mesmo período no ano passado (826.107 ha). O crescimento das queimadas em florestas no Brasil foi de 34%, com cerca de 2 milhões de hectares (1.942.949 ha). A quase totalidade (87%) desses incêndios florestais ocorreram na Amazônia. Já o Pantanal apresentou a menor área queimada nos últimos quatro anos, com 83% de redução na comparação do período entre janeiro e setembro de 2022 com o ano anterior.

Em todos os biomas, as queimadas ocorrem preferencialmente em áreas de vegetação nativa em formações savânicas e campestres, que responderam por 69% da área queimada no período no Brasil. Dentre os tipos de uso agropecuário, as pastagens se destacaram, representando 25% da área queimada.

Todos os municípios recordistas em queimadas ficam no Pará: São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso. Juntos, eles foram responsáveis pela queima de 1.052.700 de ha, ou 9% do total nacional. O crescimento em relação a 2021, quando esses municípios em 2021 queimaram juntos 407.212 ha, foi de 158%. Considerando só setembro de 2022, São Félix do Xingu e Altamira são os que tiveram maior área queimada, o que revela o avanço do desmatamento no oeste do Pará.

O Monitor do Fogo é o mapeamento mensal de cicatrizes de fogo para o Brasil, desde 2019, atualizado mensalmente. Baseado em mosaicos de imagens multiespectrais do Sentinel 2 com resolução espacial de 10 metros e temporal de 5 dias, aponta em tempo quase real a localização e extensão das áreas queimadas, facilitando assim a contabilidade da destruição.

Iniciativa multi-institucional que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais de modo a combater as mudanças climáticas, o MapBiomas é a plataforma mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra no mundo. Todos os dados, mapas, métodos e códigos são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa.

O REFIS e os Crimes Tributários: consequências possíveis

Anterior

Operação “Fake Numbers” prende falsos parentes

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

1 Comentário

  1. Com base nos dados estatísticos e nas imagens de satélite, em mais cinco décadas, as próximas gerações pouco terão pra contar a seus filhos e netos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *