Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Três municípios do Pará queimaram mais de um milhão de ha em 2022

Em setembro, foi registrada a metade de toda a área queimada do Brasil em 2022, 5.825.520 hectares. O bioma com a maior extensão consumida pelo fogo foi o Cerrado (2.973.443 ha queimados), mas a Amazônia sofreu o maior aumento de área queimada em relação ao mesmo mês de 2021: 71% (1.080.388 ha a mais). Os dados fazem parte do mais recente relatório do Monitor do Fogo MapBiomas. Mato Grosso é o estado que mais queimou, concentrando quase ¼ da queimada no Brasil de janeiro a setembro deste ano. Pará e Tocantins ocupam o segundo e o terceiro lugar da posição no ranking. Na comparação com agosto, o aumento foi de 52%, no caso da Amazônia, e de 149% no Cerrado. A área queimada no Brasil este ano é maior que Pernambuco.

O Brasil já acumula um total de 11.749.938 hectares queimados entre janeiro e setembro deste ano – área maior que todo o estado de Pernambuco, similar à afetada pelo fogo no mesmo período de 2021 – um aumento de 1%. Mas por trás dessa aparente estabilidade há grandes variações. Houve um crescimento na área queimada de 40% na Amazônia (mais de 1,6 milhões de hectares) e de impressionantes 1500% no Pampa (27.317 hectares).

Praticamente metade das queimadas entre janeiro e setembro deste ano (49%, ou 5.797.298 ha) ocorreu no bioma Amazônia. Porém a situação do Cerrado é alarmante. Embora tenha a metade do tamanho da Amazônia, ficou bem perto dos números amazônicos (46%, ou 5.408.154 ha). Juntos, somam 95% da área queimada no Brasil até setembro de 2022. Quase um terço (29%, ou 1.698.583 ha) afetou florestas, sendo incêndios ou desmatamento seguido de fogo. Esse número é 106% maior do que a área de floresta afetada por fogo no bioma no mesmo período no ano passado (826.107 ha). O crescimento das queimadas em florestas no Brasil foi de 34%, com cerca de 2 milhões de hectares (1.942.949 ha). A quase totalidade (87%) desses incêndios florestais ocorreram na Amazônia. Já o Pantanal apresentou a menor área queimada nos últimos quatro anos, com 83% de redução na comparação do período entre janeiro e setembro de 2022 com o ano anterior.

Em todos os biomas, as queimadas ocorrem preferencialmente em áreas de vegetação nativa em formações savânicas e campestres, que responderam por 69% da área queimada no período no Brasil. Dentre os tipos de uso agropecuário, as pastagens se destacaram, representando 25% da área queimada.

Todos os municípios recordistas em queimadas ficam no Pará: São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso. Juntos, eles foram responsáveis pela queima de 1.052.700 de ha, ou 9% do total nacional. O crescimento em relação a 2021, quando esses municípios em 2021 queimaram juntos 407.212 ha, foi de 158%. Considerando só setembro de 2022, São Félix do Xingu e Altamira são os que tiveram maior área queimada, o que revela o avanço do desmatamento no oeste do Pará.

O Monitor do Fogo é o mapeamento mensal de cicatrizes de fogo para o Brasil, desde 2019, atualizado mensalmente. Baseado em mosaicos de imagens multiespectrais do Sentinel 2 com resolução espacial de 10 metros e temporal de 5 dias, aponta em tempo quase real a localização e extensão das áreas queimadas, facilitando assim a contabilidade da destruição.

Iniciativa multi-institucional que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais de modo a combater as mudanças climáticas, o MapBiomas é a plataforma mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra no mundo. Todos os dados, mapas, métodos e códigos são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Com base nos dados estatísticos e nas imagens de satélite, em mais cinco décadas, as próximas gerações pouco terão pra contar a seus filhos e netos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *