Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Transporte digno ao Marajó

A governadora precisa colocar especialistas do setor hidroviário para orientar a licitação de embarcações. O catamarã Álamo, anunciado como solução para a falta de transporte rápido, seguro e confortável para o Marajó, malogrou na viagem inaugural em que levou apenas convidados. O percurso, que deveria ser de cerca de duas horas, levou mais de três. Está sem uma das hélices, o que ainda teria que ser providenciado para atender as cláusulas contratuais.
Ora, como é que a empresa foi declarada vencedora se não atendia aos requisitos do edital? Ninguém se preocupou em fiscalizar, é claro. O que é muito grave. E outras especificações são da maior importância. Por exemplo: o catamarã é de fibra de vidro? Sua estrutura suporta as enormes ondas que açoitam as embarcações no nosso verão amazônico, com fortes ventos, principalmente em agosto, setembro e outubro, em plena baía? Resiste, em caso de choque com troncos semi submersos que existem aos montes na perigosa travessia e são invisíveis a olho nu?
O Marajó precisa muito de transporte digno, não só na classe turística, mas também na popular. Afinal, a população pobre merece ser tratada como gente e não como gado. E o turismo pode ser o resgate da economia da região, proporcionando o surgimento de novos negócios e emprego da mão-de-obra local.
Setran, Arcon e CPH poderiam unir esforços e proporcionar essa chance ao Marajó e a todo o Pará, porque, como eu, por exemplo, muitos paraenses de outras regiões, além dos turistas de fora, amam o lindo arquipélago. Mas querem ir e voltar vivos, íntegros e felizes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *