Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Transamazônica e Xingu

Os movimentos sociais da Transamazônica e Xingu vão entregar amanhã ao ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, extensa pauta de reivindicações. Querem o licenciamento ambiental, pelo Ibama, das áreas entre os municípios de Novo Repartimento e Pacajá  e  Anapu e Belo Monte, a fim de permitir recuperação e construção  de estradas vicinais, asfaltamento da rodovia BR-230(Transamazônica), e a retomada do programa federal Luz Para Todos na região.
Também reclamam que os trabalhos do plano de ação no Xingu e Transamazônica, que inclui regularização fundiária e ações nas áreas de saúde e educação, estão muito lentos. Pugnam por um plano de modernização da agricultura e fortalecimento das cadeias produtivas.
Para os onze municípios inclusos no Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu, na área de abrangência da UHE-Belo Monte, as entidades reivindicam saneamento básico e a correção do déficit de moradias. Só em Vitória do Xingu terão que ser construídas, em média, mil casas populares. Em Altamira a estimativa é de 3 mil unidades.
A consolidação de um projeto de educação para o campo, contemplando  as Casas Familiares Rurais, que trabalham com a pedagogia da alternância (educação que ajuda a fixar o jovem no campo) e a retomada do Programa Nacional de Educação Rural (Pronera), além da construção, em Altamira, de um campus do Instituto Federal de Ensino e o fortalecimento do Campus da UFPA, com curso de medicina, também fazem parte das reivindicações.
Os movimentos populares também pedem que o governo do Estado apresente um plano de ações para a região do Xingu e Transamazônica, que contemple a segurança pública, saúde e o fortalecimento da agricultura familiar.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *