Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

A tragédia marajoara

A CPI da Pedofilia constatou a veracidade das denúncias do bispo do Marajó, Dom Azcona, e a situação crítica dos municípios do arquipélago, desestruturados e incapazes de enfrentar as formas perversas de violação de direitos de crianças e adolescentes. Redes de pedófilos, envolvendo políticos, empresários e traficantes de drogas e seres humanos agem à solta. Após as denúncias, as vítimas e suas famílias foram ameaçadas, tiveram que deixar a cidade e até hoje vivem escondidas, com vergonha e medo de represálias. Uma delas chegou a sofrer atentado.

Na sexta-feira passada, o Ministério Público Estadual reuniu com empresários de navegação que fazem a linha Belém-Marajó, para que eles assinassem um Termo de Ajustamento de Conduta destinado a combater a exploração sexual, com a adoção de medidas concretas para prevenir o transporte de crianças e adolescentes desacompanhadas dos pais ou responsável, ou sem autorização judicial. Pois os donos de embarcações simplesmente se recusaram a assinar o documento se obrigando a não permitir a prática de abuso, violência ou exploração sexual no interior de seus barcos e balsas, alegando – pasmem! – que tal conduta é motivo de demissão por justa causa e, por isso, a responsabilidade deve recair apenas sobre os empregados.

A sociedade paraense quer saber do MPE: vai ficar por isso mesmo?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *