0
Contrariando o que manda a Constituição Federal, só há 104 comarcas instaladas, nos 144 municípios paraenses. A Defensoria Pública é uma calamidade: 163 defensores estão na capital e 69 nos demais municípios. Pior: apenas em 35 há defensores titulares, ou seja, efetivamente lotados na comarca. Traduzindo: as garantias constitucionais até hoje não saíram do papel e o acesso à Justiça da população pobre – imensa maioria – simplesmente não existe.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

A tragédia marajoara

Anterior

Terça seca

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *