Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Tráfico humano: comissão vota proposta

Nesta quarta-feira, 26, em reunião da comissão especial, deve ser votado o substitutivo apresentado pelo deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) ao Projeto de Lei nº 7370/14, de autoria da Comissão Parlamentar de Inquérito do Tráfico de Pessoas do Senado, e o PL nº 6934/13, da CPI sobre o tema, que funcionou na Câmara Federal.
A proposta insere no Código Penal o crime internacional e interno de tráfico de pessoas, com pena de reclusão, de 5 a 8 anos, e multa, aumentada pela metade se a vítima tiver menos de 14 anos; e de 1/3 se a vítima tiver entre 14 e 18 anos, em consonância com o Protocolo de Palermo, em vigor desde 2003. Hoje o Código Penal caracteriza como crime apenas o tráfico de pessoas para fim de exploração sexual. 

O substitutivo também aumenta a pena mínima para o crime – já previsto no código – de redução à condição análoga à de escravo, que hoje é de reclusão de 2 a 8 anos e multa. Se aprovado, a pena mínima passará a ser de reclusão 4 anos, mantida a pena máxima de 8 anos, aumentada da metade se o crime for decorrente do tráfico de pessoas.
Além disso, a proposta prevê a mesma pena para quem aliciar e recrutar trabalhadores, ciente de que serão explorados em trabalho análogo ao de escravo; e para quem, tendo o dever de investigar, reprimir e punir tais crimes, por dever funcional, se omite no cumprimento de sua função pública. 

A proposta do relatório também insere os crimes de redução à condição análoga à de escravo e de tráfico de pessoas na Lei de Crimes Hediondos (8.072/90), estabelecendo que quem realizar modificações corporais sem consentimento da vítima, por profissional não habilitado ou em condições que ofereça risco à saúde, poderá ser punido com reclusão de 3 a 5 anos. A pena será dobrada se o crime for praticado para fins de exploração sexual de vítima de tráfico humano e se a vítima tiver menos de 14 anos.
O juiz poderá decretar a retenção provisória dos bens dos investigados de tráfico de pessoas durante as investigações e, ao final do processo, definirá o que será feito com os bens, produtos e valores apreendidos. O texto cria, ainda, o Cadastro Nacional de Traficantes de Seres Humanos; a obrigatoriedade de participação dos criminosos condenados por tráfico de pessoas em cursos de ética e direitos humanos; e determina a inclusão das vítimas no programa de proteção a testemunhas, com
 assistência jurídica, social, de trabalho e emprego e de saúde, além do direito a acolhimento em abrigo provisório. 

O substitutivo prevê, por fim, a concessão de visto permanente à vítima, com alteração no Estatuto do Estrangeiro (Lei 6.815/80), e de três parcelas de seguro-desemprego no valor de um salário mínimo cada, às vítimas de tráfico de pessoas ou de trabalho na condição análoga à de escravo

Na quarta-feira da semana passada, Jordy leu seu relatório, ponto culminante de um trabalho de mais de dois anos da CPI do Tráfico de Pessoas, que adota contribuições da CPI correlata do Senado e da CPI de Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A deputada Antônia Lúcia (PSC-AC) pediu vista.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *