O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Trabalho escravo e infantil persiste

Um dos temas que deve merecer reflexão e muito trabalho em 2016: só no período de janeiro a 17 de dezembro de 2015 foram resgatadas 936 pessoas em condições análogas à escravidão, pelos fiscais do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego, em 125 operações, que alcançaram 229 estabelecimentos das áreas rural e urbana, envolvendo 6.826 trabalhadores. Lado positivo da ação: formalização de 748 contratos de trabalho, com pagamento de R$ 2,624 milhões em indenização para os trabalhadores. 

Análise do perfil das vítimas, feita pelo MTPS, mostra que 74% não vivem no município em que nasceram e 40% trabalham fora do estado de origem. A maioria é da Bahia, com 140 resgates, o que corresponde a 20,41% do total resgatado. Do Maranhão, foram localizadas 131 vítimas, ou 19,10%, e de Minas Gerais, 77, respondendo por 11,22% do total.
Entre os trabalhadores resgatados que estão recebendo Seguro Desemprego, 621 são homens e a maioria tem entre 15 e 39 anos (489 vítimas). A maior parte é constituída por analfabetos ou no máximo com o 5º ano do ensino fundamental. 

Detalhe: doze resgatados tinham idade inferior a 16 anos, enquanto 24 eram da faixa entre 16 e 18 anos. Outro dado que chama atenção é que, nas cinco ações que encontraram a maior quantidade de trabalhadores em condições análogas às de escravo, três foram de caráter urbano.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *