Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Tolerância zero a todas as formas de violência


Karina tinha só seis aninhos de idade e vivia em Tomé-Açu. Mas, ao invés dos folguedos da infância, sofreu todos os horrores até ser assassinada por sua madrasta, primeiro enforcada com uma corda, depois com golpes de facão no pescoço e em seguida lançada ao rio Acará-Mirim, em uma saca de serapilheira, usada em transporte de açaí. Gesielem Lopes Mamede, 40 anos, declarou que matou a enteada com tais requintes de perversidade para se vingar do pai da criança, seu companheiro. 

Como Karina, milhares de crianças são vítimas de violência, diariamente, sob as mais variadas formas: trabalho infantil,    espancamentos, torturas, abusos sexuais, tráfico para  retirada de órgãos.  E isso só acontece porque a maioria das pessoas fecha os olhos para essa situação desumana.

No Pará, as beiras de estradas e dos rios são caminhos da perdição para meninos e meninas na mais tenra idade, tangidos pela miséria e desagregação familiar.

No arquipélago do Marajó, onde estão os municípios mais pobres do Brasil, as crianças continuam a deixar a escola para serem submetidas a todo tipo de exploração, e levadas pelas próprias famílias. O bispo emérito Dom José Azcona, a Irmã Henriqueta Cavalcante, coordenadora da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, e tantas outras pessoas que fazem trabalho voluntário em favor da infância e da adolescência, como o jovem delegado de polícia Rodrigo  Amorim, de apenas 30 anos, titular de Melgaço, o município com menor IDH do País, sentem o que é dar murro em ponta de faca. Mas, mesmo com as mãos sangrando, a luta continua.

É tanta a premência e tão poucos os recursos! As crianças têm fome. Esta necessidade básica é atroz. Meninos e meninas são abusados inclusive por familiares, vizinhos e amigos, quando não pelos próprios pais ou padrastos. As ocorrências policiais são, na maioria absoluta, crimes de estupro.  No arquipélago, como o próprio nome já anuncia, as comunidades estão espalhadas ao longo dos rios. Mas não há barcos próprios da polícia para fazer diligências, nem dinheiro para barcos alugados. O Grupamento Fluvial tem lanchas que não conseguem entrar em todos os furos e não são suficientes para cobrir todos os municípios ao mesmo tempo.

Tem mais:  há grande subnotificação, pelo medo natural de uma criança denunciar um adulto e pelas dificuldades de provas. Muitas vezes o pedido de prisão preventiva feito pelo delegado é negado pelo juiz. E para onde vai a dignidade desses pequenos seres que não conseguem acesso à cidadania, sequer o respeito ao seu próprio corpo? 

Crianças que têm direito a brincar, tomar banho, vestir roupas limpas, se alimentar e estudar, mas que desde cedo aprendem que é apenas um sonho distante e precisam antes de tudo ter coragem de denunciar o abusador e sede de justiça. Qual é o futuro que o País reserva para esses pequenos, que nasceram e crescem ao desamparo?

Em 2015, segundo dados do Disque 100, foram registradas 17.588 denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes, equivalentes – pasmem! – a duas denúncias por hora. Foram 22.851 vítimas, 70% delas meninas. Entre 2011 e 2014, nasceram 4.021 bebês filhos de mães que foram violentadas antes dos 12 anos. 

A sociedade brasileira tem uma grande tarefa diante de si: promover e consolidar uma cultura de equidade e de respeito aos direitos de todas as crianças para que elas possam crescer livres de violência, como determinam a Convenção sobre os Direitos da Criança e o Estatuto da Criança e do Adolescente.
Temos o dever de romper o silêncio, denunciando situações de violência usando canais como o Disque 100 e o aplicativo Proteja Brasil. 

É inadmissível que a violência continue sendo banalizada. Tolerância zero a todas as formas de violência contra crianças e adolescentes!

As denúncias de abuso ou exploração sexual de crianças e adolescentes podem ser feitas aos Conselhos Tutelares de cada município, às delegacias especializadas, a uma autoridade policial ou ao Disque 100 (Disque Denúncia Nacional).

Para baixar o aplicativo Proteja Brasil, da Unicef, acessem

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *