Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Todos pelo Pará

Sou de Santarém – apontada como futura capital do estado do Tapajós -, favorável ao plebiscito, mas contra a divisão do Pará, que seria, no mínimo, precipitada. Apesar das décadas em que é apregoada essa ideia, até hoje não há um só estudo de viabilidade econômica que justifique o desmembramento territorial – o que deveria preceder qualquer iniciativa nesse sentido. O que é fato é a sede de poder dos que sonham em comandar as novas unidades a serem criadas. É inegável o interesse de políticos pelos muitos cargos que surgiriam, na instalação dos três Poderes e Tribunal de Contas, além das vagas na Câmara dos Deputados e no Senado.

Conheço o abandono a que foram e estão relegadas as regiões oeste e sudeste do Pará e o Marajó. A PA-254, por exemplo, que interliga todos os municípios da Calha Norte do rio Amazonas, jamais foi asfaltada, apesar das reiteradas promessas dos governantes de plantão. A falta de energia elétrica nunca permitiu que o comércio se fortalecesse e a indústria ao menos nascesse, assim como no Marajó, onde o IDH miserável reflete a ausência do Estado em ações de saúde pública, de educação e acesso à Justiça. Na área do pretenso estado de Carajás, a violência recrudesce. As listas de marcados para morrer são anunciadas e a promessa cumprida, debaixo dos narizes oficiais. O trabalho infantil e a redução à condição análoga à escravidão são tristes recordes nacionais.
Mais justo, desejável e eficaz seria que todos os políticos se unissem de fato em prol do Pará, como prometeram em campanha e juraram sobre a Constituição. Que trabalhassem com afinco para garantir investimentos para suprir nossas enormes carências, que fossem em busca da captação de recursos externos, que cobrassem o cumprimento das leis, que se portassem com a dignidade que a representação popular exige.
Se ao invés de pleitear cargos e influência os políticos lutassem para que em todos os municípios funcionassem, por exemplo, a Defensoria Pública, o Ministério Público e a Magistratura estaduais; escolas em tempo integral e com ensino de boa qualidade; postos de saúde equipados com material e recursos humanos suficientes e hospital de urgência e emergência; rodovias em boas condições de tráfego, demarcação fundiária correta, assistência técnica e financiamento à produção, o Pará seria melhor. Seria rico não só em recursos naturais que deixam bolsões de prostituição, desabrigo, desemprego e impactos ambientais. Seria grande e uno em suas particularidades em meio à diversidade. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *