Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Todos contra o trabalho escravo

Foto: Wagner Almeida
A Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae-PA), entidade vinculada à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), em parceria com diversas entidades, realizou ações educativas nos terminais de Belém, sábado(28), Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo.
A data remete à luta contra a exploração da dignidade humana, e foi instituída em memória dos auditores fiscais do trabalho Eratóstenes Gonçalves, João Batista Lage e Nelson José da Silva e do motorista Aílton de Oliveira, assassinados em 2004 durante uma fiscalização em Unaí(MG). 
Juízes do Trabalho, procuradores e auditores fiscais do Trabalho, policiais militares e rodoviários federais, advogados, professores e estudantes participaram dos atos de cidadania.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), delimita as características do trabalho análogo ao escravo: além das condições precárias, como falta de alojamento, água potável e sanitária, por exemplo, o cerceamento ao direito de ir e vir pela coação de homens armados. Os trabalhadores são forçados a assumir dívidas crescentes e intermináveis com alimentação e despesas com ferramentas usadas no serviço.

Os passageiros do Terminal Rodoviário de Belém e do Terminal Hidroviário receberam instruções sobre as formas contemporâneas de escravidão e como denunciar. 

O presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região (Amatra 8), juiz Pedro Tourinho Tupinambá, reforçou o entendimento de que erradicar o trabalho escravo deve ser uma bandeira de luta de toda a população. Michel Durans, secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, também participou da ação e realçou a união de todos em torno do tema. A coordenadora da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, Henriqueta Cavalcante, representou a entidade.

No próximo domingo, 5, haverá ato público na praça Batista Campos, com o apoio da Amatra 8, Ministério Público do Trabalho, Delegacia Sindical do SINAIT e o Sicoob Credijustra. O dia contará com Ação Cidadania, do Governo do Estado, que irá oferecer a emissão de carteiras de identidade e carteiras de trabalho, além de apresentações culturais de música e dança e debate sobre o combate à escravidão. Na ocasião, haverá coleta de assinaturas para uma carta de apoio aos servidores da SRTE-PA, que estão sofrendo com o sucateamento da representação do Ministério do Trabalho no Pará. 

O T​RT8 ​integra o Coetrae-PA​, representado ​pela juíza do Trabalho titular da 7ª VT de Belém, Maria de Nazaré Medeiros Rocha, ​cuja suplente é a ju​íza ​do Trabalho​substituta Elinay Almeida Ferreira de Melo​. Além delas, integra o Conselho o juiz ​do Trabalho ​titular da 2ª VT de Marabá, Jônatas dos Santos Andrade, que representa a Amatra 8.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *