Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

TCU aprova contas de Sidney Rosa

Depois de 12 anos, que incluíram os últimos 18 meses ainda no mandato e mais de 10 anos já como ex-prefeito de Paragominas, só agora é que o deputado Sidney Rosa(PSB) se livrou, através do acórdão nº 4902-30.15-1 do Tribunal de Contas do União, da responsabilidade sobre um convênio feito durante seus 8 anos de gestão e que tinha ensejado processos e até o risco de inelegibilidade. Trata se de um convênio no valor de R$350 mil, celebrado com o Ministério de Meio Ambiente para implantação do primeiro aterro sanitário da região norte, obra concluída em 2003 atendendo a todos os requisitos do projeto, do qual houve prestação de contas com devolução de sobra de parte dos recursos. 


Na época, Sidney Rosa conseguiu a licença prévia e a licença de instalação perante a então Sectam – Secretaria de Estado de Ciências e Tecnologia e Meio Ambiente, mas, em razão do longo tempo de tramitação no órgão ambiental, não foi concedida a licença de operação ainda em seu mandato, o que só se efetivou na gestão de seu sucessor, o atual secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Mineração, Adnan Demachki, que colocou o aterro para funcionar até os dias atuais. 

Sidney Rosa esperava, após cumpridas todas as fases, receber do Ministério do Meio Ambiente algum ofício enaltecendo a condição de Paragominas ser o primeiro e por muitos anos o único município do Pará a dispor de aterro sanitário destinado aos resíduos sólidos (lixo), mas passou a ser réu. Teve que produzir inúmeras peças de defesa, juntar documentos, relatórios técnicos, fotos e depoimentos, custeando com recursos próprios honorários advocatícios e viagens, além das muitas noites mal dormidas, sob a ameaça de ter que devolver os recursos corrigidos e com juros, pagar multa altíssima e ainda por cima perder o mandato de deputado estadual e ficar inelegível. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *