A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Sucessão de tragédias nos rios do Pará

Ainda nem foram esclarecidas as circunstâncias e responsabilidades pela recentíssima colisão e naufrágio com vítimas fatais no rio Amazonas, no Estreito de Óbidos, e outro trágico acontecimento ceifa vidas no Oeste do Pará. A sucessão de tragédias lança holofotes também para o transporte clandestino de passageiros e a falta de controle do modal hidroviário em plena Amazônia, onde os rios são as estradas naturais e 80 por cento da população utiliza a via fluvial para se deslocar.

A embarcação “Comandante Ribeiro” afundou por volta das 21h de ontem, no rio Xingu, entre Senador José Porfírio e Porto de Moz, perto da Ponta Negra, com cerca de 70 pessoas a bordo, das quais 10 vítimas fatais – seis mulheres, dois homens e duas crianças. O barco não estava autorizado pela Arcon-PA a transportar passageiros. A empresa foi notificada durante fiscalização no dia 5 de junho deste ano, mas nenhum representante compareceu ao órgão para regularizar a situação. E continuou a operar.

Equipes do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Militar, Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, Grupamento Fluvial e Diretoria de Telecomunicações da Secretaria de Segurança Pública estão no local. Duas aeronaves do Grupamento Aéreo duas lanchas do GFlu e mergulhadores da Segup, além do navio-patrulha “Bocaina”, da Marinha, ajudam as buscas. A Polícia Civil apura as causas do sinistro. Os consulados dos EUA e da Austrália procuraram as autoridades. É possível que cidadãos desses dois países estejam entre os náufragos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *