Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

STF barra pensão de ex-governadores

Os ex-governadores Aurélio do Carmo, Alacid Nunes e Carlos Santos perderão a pensão vitalícia a que fazem jus, por dispositivo na Constituição do Pará, se for mantida a liminar da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, relatora da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4552, que suspendeu, hoje, o benefício. O voto da relatora foi seguido pela maioria dos ministros, no entendimento de que a pensão especial – equivalente ao salário de desembargador do Tribunal de Justiça do Estado – fere o princípio da isonomia e configura tratamento privilegiado sem fundamento legítimo.
Os ministros afastaram, por outro lado, a alegação de simetria, vez que não existe previsão semelhante na Constituição Federal. O julgamento da ADI tinha sido suspenso por pedido de vista no dia 16 de fevereiro deste ano e foi retomado hoje com a apresentação do voto-vista do ministro Dias Toffoli, que tentou conciliar a norma com o princípio da isonomia, admitindo a  pensão de natureza especial, desde que com valor não vinculado ao subsídio de desembargador, caso comprovada a insuficiência financeira do ex-governador, segundo critérios a serem definidos por lei local. Mas ficou vencido pela interpretação de seus pares.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *