Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

SOS Xingu

“As famílias que habitam na região às proximidades dos igarapés Altamira, Ambé e Panelas possuem uma dinâmica de vida adquirida ao longo de muitos anos e hoje vivem uma incerteza criada pela construção da Hidrelétrica de Belo Monte.  A realocação compulsória, a falta de definição para onde irão e a ansiedade, além de causar a quebra de uma rotina, estão tirando o sono da população.


Partindo do princípio de que é mais barato fazer direito para não ter que de consertar depois, a sociedade civil organizada de Altamira busca minimizar danos e aplicar o que previamente ficou determinado no inicio, ao ser acordado e textualizado nas páginas 94 e 161 do Relatório de Impacto Ambiental (Rima), onde dispõe que a Norte Energia reloque as famílias destes locais e construa o novo bairro em um raio de no máximo 2999 metros de onde elas residem atualmente, com lotes de 300 m² com casas de alvenaria com 60 m², piso de cerâmica e forrada esta e uma condição mínima para aqueles que moram há tanto tempo em áreas de risco ao logos dos igarapés.

Não podemos perder de vista a psicologia inicial, que é a de contribuir para uma melhoria na qualidade de vida dessas pessoas. Nessa realidade, inexiste a possibilidade de “jogar” os habitantes para um local longe de seu trabalho, da escola de seus filhos etc. Deve ser levado em consideração que a reestruturação das atividades produtivas e sociais desse povo não será um caminho simples.

Primeiro é importante ser reconhecido uma condição para a promoção do bem estar econômico e social, e não apenas que uma dívida está sendo paga, depois é imperioso ressaltar que proporcionar melhores condições de habitabilidade, não é somente proporcionar indenização pelo dano patrimonial, colocando em uma casa estruturalmente melhor, essa é a parte mais fácil.


O que precisa, é ser cristalizado que o ambiente de trabalho da população em questão é próximo onde elas moram, então deve-se proporcionar para que as famílias afetadas continuem com suas atividades econômicas, sociais e culturais, de modo a não haver perdas significativas que impliquem em não adaptação no local de reassentamento, feito isso esta garantido a sustentabilidade do processo de realocação.

O Fort Xingu, bem como as mais de 103 entidades que fizeram o abaixo assinado encaminhado a Norte Energia S/A – NESA são favoráveis ao empreendimento Belo Monte, desde que sejam respeitadas as condicionantes e as ações indígenas. Não se pode realizar uma grande obra sem realizar o básico, como as infraestruturas em saúde, educação, qualificação de mão de obra, com geração de emprego e renda. Respeito ao cidadão e principalmente com os compromissos assumidos é o mínimo que pedimos.

Pouco está sendo feito no sentido de cumprir as condicionantes, precisamos caminhar com ações como a formação do conselho gestor do PDRS e a definição de com serão aplicados os recursos; reforma do aeroporto de Altamira, Ordenamento Fundiário e Asfaltamento da Transamazônica. Buscamos condições dignas para a vida dessa população e não vamos exitar se, pra conseguir isso, for preciso ajuda judicial.”

(Nota enviada por e-mail pelo Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico e Sócio-Ambiental da Transamazônica e Xingu – FORT Xingu)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *