A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

SOS Curralinho

A
equipe técnica que está levantando a real situação financeira de Curralinho
ficou estupefata quando deparou com o saldo de R$822,18 deixado pelo
ex-prefeito na conta da prefeitura no Banco do Brasil.
O prefeito Léo
Arruda(PT) não teve acesso a qualquer dado antes da posse, e agora não tem sequer
meios para pagar os servidores municipais e aposentados.
Apontado pelo IBGE
como o município com menor PIB do País (R$ 64.876), o que significa o menor
valor de produção por habitante, no caso míseros R$ 2,2 mil por pessoa em 2010,
Curralinho é habitado por 28.549 almas, que vivem em 3.617,252 km², o que dá uma densidade
demográfica de 7,89  hab/km².
Sem qualquer atividade
econômica significativa, é sustentado pela
transferência de recursos oficiais. Além do emprego público, a população sobrevive
do extrativismo, pesca, criação de animais de pequeno porte e agricultura de
subsistência, de produtos como o açaí e o palmito.
Falta tudo em
Curralinho. Sobretudo, cidadania e dignidade humana.  Sobram os efeitos
devastadores de doenças infecto-contagiosas. Há uma única agência bancária e uma casa lotérica. Sem
esperanças, a infância e a juventude são vítimas do crime organizado,
notadamente o tráfico – de drogas e humano -, e de todo tipo de abuso e
violência.
A pobreza dos municípios do arquipélago do Marajó
foi incontáveis vezes denunciada pelo criador do Museu do Marajó, o saudoso
padre Giovanni Gallo, pelo atual bispo Dom José Luiz Azcona e em muitos documentos
oficiais da CNBB clamando por mais atenção. Por causa das dificuldades de
transporte, qualquer obra na região é caríssima, impedindo investimentos nos
setores produtivos e até nas áreas de saneamento básico e saúde.
O sofrimento por que passa a gente marajoara,
que definha sem perspectivas de salvação, precisa do clamor público por
melhores condições de vida a fim de permitir o fim do isolamento físico,
econômico, social, cultural e político da área central do Marajó, onde
persistem altos índices de pobreza e miséria que assolam a população num
círculo vicioso que precisa ter fim.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *