Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Isoca e o futebol santareno

No embalo das posses dos cartolas do Remo e
Paysandu, um caruana traz aos meus
ouvidos saborosa história mocoronga,
que relato a meu modo por aqui. Ei-la:
De tão cordato que era, havia quem pensasse que o
poeta, historiador e compositor Wilson Fonseca torcia pelo São Francisco, um
dos times mais aguerridos da Pérola do Tapajós.

Pois bem. Certa vez, cartolas do Leão
santareno convidaram-no para uma visita de cortesia, às vésperas da inauguração
da sede própria do clube e lá instalaram-no, à guisa de grande honraria, na
principal cadeira da mesa de reuniões. Logo o diretor quis saber como o
cultuado artista se sentia no tão especial assento azulino. No que o saudoso maestro
Isoca, com serenidade proverbial, respondeu, na bucha, como diz o caboclo: “Como
um católico em igreja de evangélico
”.
Pano rápido. O time do coração de Isoca era
o São Raimundo Esporte Clube – o mesmo, aliás, do maestro Tinho, seu filho
caçula, José Agostinho da Fonseca -, e de cujo hino é autor, tanto da música
quanto da letra (1969), que diz assim: 
“Neste canto vibrante de fé,
Vamos todos com alma sincera
Levantar nosso brado, de pé,
Ao valente e altivo ‘Pantera’.

Os teus feitos te envolvem de glórias
Conquistadas por bravos, por
fortes.
Em tuas lutas se buscas
vitórias,
Tens por mira elevar os
esportes.

Estribilho

‘São Raimundo’ de raça, querido

Alvinegro que o povo quer bem,
Nos gramados tu és sempre
aplaudido
Pois teu nome traduz Santarém.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *