Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Sinjor denuncia novas demissões na RBA

“O Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA) repudia com veemência as sucessivas demissões de jornalistas no Grupo RBA, que  demonstra total desrespeito com os jornalistas. Nesta quarta-feira, 05, a empresa demitiu os jornalistas Elias Santos e Thamires Figueiredo, que trabalhavam como repórteres no jornal Diário do Pará. Há consistentes evidências de que as demissões foram motivadas pela participação ativa dos trabalhadores na greve ocorrida em setembro do ano passado.
Elias Santos trabalhava há dois anos e meio na empresa, tendo ficado seis meses sem carteira assinada. Já Thamires Figueiredo atuou durante um ano e sete meses no jornal, sendo que durante sete meses a jornalista exerceu a função sem carteira assinada.
Com isso, totalizam 10 demissões arbitrárias, feitas sem a menor dignidade com os trabalhadores. Logo após o fim da estabilidade, firmada em acordo com o Sindicato, foram demitidos os jornalistas Felipe Melo, Cristiane Paiva, Adison Ferrera e Amanda Aguiar, dispensados sem aviso prévio.
No mês passado, as jornalistas Daniele Brabo, Edmê Gomes e Yorranna Oliveira foram demitidas no hall de entrada da empresa, quando chegavam para mais um expediente e tiveram seus crachás bloqueados na recepção, ato praticado novamente com as demissões de hoje. Todos foram impedidos de adentrar o prédio, submetidos à assinatura dos documentos no balcão de recepção, em uma situação vexatória.
Vale ressaltar que o grupo RBA também demitiu o jornalista Leonardo Fernandes, repórter no jornal Diário do Pará, que também participou da organização do movimento Jornalista Vale Mais, tão logo a greve foi anunciada, em setembro.
O Sinjor-PA manifesta toda a sua solidariedade aos jornalistas Elias Santos e Thamires Figueiredo, e já colocou sua assessoria jurídica à disposição dos dois, assim como dos demais demitidos. Este ato arrogante por parte do grupo RBA não vai nos calar. A luta por justiça continuará cada vez mais forte. As retaliações não vão nos intimidar.    
A entidade defende, portanto, que o grupo RBA reveja as demissões, que estão longe de serem exemplares, corretivas ou educativas. Isso não mudará a decisão dos trabalhadores que reivindicam melhores salários e condições de trabalho. Quem constrói cotidianamente a comunicação e leva informações à população merece respeito.
Sindicato dos Jornalistas do Pará – Sinjor-PA”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *