Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Sinal vermelho em Miramar

O acidente na região de Aracruz na tarde da quarta-feira (11) no navio FPSO Cidade de São Mateus(ES), o pior em número de vítimas em plataformas contratadas ou operadas pela Petrobras desde 2001, quando 11 pessoas morreram em duas explosões, deveria servir de alerta para o governo do Estado e a prefeitura de Belém exigirem o fim da operação do terminal petroquímico de Miramar, da Companhia Docas do Pará, que movimenta inflamáveis líquidos e gasosos, com descarga dos produtos escoada através de caminhões-tanque para abastecer Belém e parte do interior do Pará. Localizado na margem direita da Baía do Guajará e com acesso pela rodovia Arthur Bernardes,  tem no retroporto instalações de diversas companhias distribuidoras, com 92 tanques com capacidade para 206.847 metros cúbicos de produtos. Trata-se de atividade perigosíssima, em uma área densamente povoada, que tem inclusive o Hospital Sarah como vizinho. Se acontecer uma explosão no local, é provável que haja uma tragédia de grandes proporções. 


Por que não levar essa operação para o porto de Vila do Conde, em Barcarena, lugar adequado, onde inclusive já existe um terminal para inflamáveis, e, de quebra, legar à população de Belém um pedaço precioso de sua orla, que poderá agregar qualidade de vida a todos que moram, trabalham ou visitam a cidade? Belém precisa se livrar de caminhões em suas ruas, ainda mais de um verdadeiro barril de pólvora em pleno centro, e no caminho para o aeroporto de Val-de-Cães.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *