O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Sinal vermelho em Miramar

O acidente na região de Aracruz na tarde da quarta-feira (11) no navio FPSO Cidade de São Mateus(ES), o pior em número de vítimas em plataformas contratadas ou operadas pela Petrobras desde 2001, quando 11 pessoas morreram em duas explosões, deveria servir de alerta para o governo do Estado e a prefeitura de Belém exigirem o fim da operação do terminal petroquímico de Miramar, da Companhia Docas do Pará, que movimenta inflamáveis líquidos e gasosos, com descarga dos produtos escoada através de caminhões-tanque para abastecer Belém e parte do interior do Pará. Localizado na margem direita da Baía do Guajará e com acesso pela rodovia Arthur Bernardes,  tem no retroporto instalações de diversas companhias distribuidoras, com 92 tanques com capacidade para 206.847 metros cúbicos de produtos. Trata-se de atividade perigosíssima, em uma área densamente povoada, que tem inclusive o Hospital Sarah como vizinho. Se acontecer uma explosão no local, é provável que haja uma tragédia de grandes proporções. 


Por que não levar essa operação para o porto de Vila do Conde, em Barcarena, lugar adequado, onde inclusive já existe um terminal para inflamáveis, e, de quebra, legar à população de Belém um pedaço precioso de sua orla, que poderá agregar qualidade de vida a todos que moram, trabalham ou visitam a cidade? Belém precisa se livrar de caminhões em suas ruas, ainda mais de um verdadeiro barril de pólvora em pleno centro, e no caminho para o aeroporto de Val-de-Cães.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *