O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Sesma frauda AIHs

A Controladoria-Geral da União participou hoje, ao lado do Ministério Público Federal, da Operação Olho Clínico, desencadeada pela Polícia Federal, no Pará, para coibir a ação de uma organização criminosa que vinha fraudando procedimentos hospitalares pagos com recursos repassados pelo Ministério da Saúde. O prejuízo causado aos cofres públicos alcança R$ 10 milhões. 40 policiais federais e 11 analistas da CGU cumpriram 11 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal, na Secretaria de Saúde de Belém e em nove hospitais particulares conveniados com o SUS.
Fiscalizações feitas pela CGU revelaram que Autorizações de Internação Hospitalar apresentadas pelos hospitais eram adulteradas na Sesma, de forma a aumentar a quantidade de procedimentos realizados e, com isso, o montante de recursos repassados pelo MS, que acabava custeando procedimentos não foram efetivamente executados. De acordo com o apurado até agora, os hospitais conveniados não sabiam das fraudes cometidas.
Recentemente a Sesma foi alvo da Operação Sanare, que investigou fraudes nos processos licitatórios conduzidos pela Secretaria, quando foram expedidos mandados de prisão para o secretário municipal de Saúde, para o diretor geral da Sesma e para a presidente da comissão de licitação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *