Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Sentença de morte em Itaituba

O empresário Albenor Moura de Sousa foi executado com uma rajada de balas na cabeça, hoje, em seu posto de combustíveis, em Itaituba, por dois homens em uma moto. Em maio deste ano, ele tinha sido absolvido pelo Tribunal do Júri, em Belém, da acusação de homicídio duplamente qualificado de Raimundo Messias de Oliveira, o Dinho, advogado da cooperativa de garimpeiros da Mineração Ouro Roxo, em Jacareacanga. 

No dia 27 de setembro de 2003, em Itaituba,  Albenor atirou na cabeça do advogado, limpou o sangue da vítima com alvejante para a mulher não descobrir o que tinha feito, enrolou o corpo em uma lona de plástico e o depositou em um poço desativado, no posto Jacaré. O corpo só foi encontrado quase dois meses depois, em adiantado estado de decomposição, após denúncia anônima à polícia civil. O cadáver tinha sido coberto por peças velhas de caminhões, areia e pedregulho. Albenor confessou o crime mas disse que Dinho estava armado e tentou puxar das suas mãos notas promissórias comprovando uma dívida de mais de R$1 milhão, pelo fornecimento de combustível e alimentos aos garimpeiros.  

Por maioria, os jurados acataram a tese de legítima defesa e o
condenaram só por ocultação de cadáver. A pena foi fixada em um ano e seis meses, em regime aberto. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *