A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Segup investiga ameaças a deputado

A pedido do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Márcio Miranda, a delegada geral de Polícia Civil, Christiane Ferreira, e o secretário adjunto de Segurança Pública, coronel Hilton Benigno, foram ao Palácio Cabanagem hoje e, junto com o chefe da Casa Militar da Alepa, coronel Fernando Noura, ouviram o relato do deputado Carlos Bordalo quanto a ameaças de morte a si e à sua família. De imediato traçaram uma estratégia para descobrir os autores e também para proteção ao parlamentar e seus familiares. 

Logo cedo, em pronunciamento na tribuna, Bordalo(PT), que é presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, denunciou que na época em que foi relator da Comissão Parlamentar de Inquérito das Milícias foi alvo de ameaças de morte, mas depois de um tempo elas pararam. Contudo, conforme expôs em seu discurso, recentemente – coincidindo com o julgamento de dois acusados de comandar milícias na chamada chacina no Guamá (ocorrida em novembro de 2014) apontados no relatório da CPI das Milícias como os principais líderes de organização criminosa -, começou de novo a receber “recados” ameaçadores, culminando com a ida de uma pessoa até o seu gabinete, dizendo que teve acesso a informações de reuniões desses grupos em Belém, no sentido de que decretaram a morte do parlamentar e que se não o matarem vão matar filhos, namorada e quem estiver ao seu redor.

Os oficiais da PM e a Polícia Civil preferiram não detalhar as providências, a fim de não prejudicar a eficácia das investigações, cujo sigilo é essencial para alcançar eficácia. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *