Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Sebastião Tapajós & Gonzaga Blantez

Pesquei esta foto na página do Museu da Cidade de Alenquer no Facebook, administrada pelo procurador de justiça aposentado Ismaelino Valente, de tradicional família local. Sebastião Tapajós, violonista de renome internacional, formado pelo Conservatório Nacional de Música de Lisboa, em Portugal, que estudou guitarra com Emilio Pujol e cursou o Instituto de Cultura Hispânica, na Espanha, dedilhando o violão com Gonzaga Blantez, cantor e compositor paraense radicado em Manaus há mais de trinta anos, que construiu carreira fundamentada nas tradições culturais amazônicas e emplacou sua música Curió do Bico Doce” na novela A Força do Querer, como tema da personagem Ritinha.

Vou falar de orelhada, mas, ao que parece, Sebastião Tapajós vai surpreender seus fãs – entre os quais estou incluidíssima – enveredando pelo Beiradão, ritmo que toca nas “sedes” das cidades do interior e que começou na época áurea da borracha, por volta de 1950, quando viajantes frequentavam festas em bares e flutuantes nas margens dos rios e esses lugares eram chamados de Beiradão. Naquele tempo, a turma ouvia jazz e merengue na frequência AM, a única que funcionava nas rádios amazônicas, pegava a influência caribenha e deu nisso.

Agora, o detalhe é que os dois músicos são alenquerenses, controvérsias à parte. Sabá tem fama de ser santareno. Mas seus conterrâneos ximangos contam que ele nasceu no “Vira-Volta” e foi registrado em Santarém, onde, por sinal, é endeusado. Outros juram que o gênio do violão na verdade nasceu no Vira-Volta indo do sítio Primavera (Alenquer) para Santarém com sua mãe em trabalho de parto em pleno rio Amazonas. E que se assim for, Bazinho deveria se chamar Sebastião Amazonas e não Tapajós. Ora, ora…

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *